PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Empregos e carreiras

Brasil cria 253.083 vagas com carteira assinada em outubro, mostra Caged

Número contrasta com o desemprego geral, que atinge 13,5 milhões de pessoas - Amanda Perobelli/Reuters
Número contrasta com o desemprego geral, que atinge 13,5 milhões de pessoas Imagem: Amanda Perobelli/Reuters

Do UOL, em São Paulo

30/11/2021 15h36Atualizada em 30/11/2021 17h11

O Brasil criou 253.083 empregos com carteira assinada em outubro, o décimo mês seguido de saldo positivo, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados hoje pelo Ministério do Trabalho e Previdência. O número é a diferença entre 1.760.739 contratações e 1.507.656 desligamentos registrados no mês.

O resultado de outubro representa uma desaceleração em relação a setembro, quando foram criadas 313.902 vagas.

No acumulado do ano até outubro, o saldo é de 2.645.974 vagas de trabalho formais abertas. Agora, o total de empregos com carteira assinada no Brasil é de 41.205.069, o que corresponde a uma alta de 0,62% em relação ao estoque acumulado até o mês passado.

Os números positivos do Caged contrastam com a taxa de desemprego geral no país, que ficou em 12,6% no terceiro trimestre de 2021, atingindo 13,5 milhões de pessoas. O dado foi divulgado hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e se refere ao total de empregos, com e sem carteira assinada.

4 setores com saldo positivo

Em outubro, quatro dos cinco setores da economia registraram saldo positivo na criação de empregos formais. São eles:

  • Serviços, com 144.641 novas vagas, distribuídas principalmente nas atividades de informação, comunicação, financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas;
  • Indústria geral, com 26.697 novas vagas, concentradas na Indústria de Transformação;
  • Comércio, com 70.355;
  • Construção, com 17.236.

Com o fechamento de 5.844 postos de trabalho, o setor de Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura foi o único com balanço negativo no mês passado.

Divisão por região

Todas as regiões do Brasil tiveram mais contratações que demissões em outubro, ainda segundo o Caged. Em números absolutos, o Sudeste liderou, com a criação de 121.409 empregos com carteira assinada, seguido pelo Sul (52.938), Nordeste (51.455), Centro-Oeste (17.554) e Norte (8.734).

Considerando a porcentagem de alta entre outubro e setembro, porém, o cenário muda: o Nordeste registrou a maior variação (0,78%), à frente do Sul (0,69%), Sudeste (0,58%), Centro-Oeste (0,50%) e Norte (0,45%).

Expectativa para 2021

Mais cedo, antes da divulgação dos números do Caged, o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, afirmou que o Brasil deverá "continuar crescendo" na criação de empregos formais, devendo "virar" a casa das 2,5 milhões de vagas criadas em 2021.

"Nos dois anos e meio primeiros do presidente Jair Bolsonaro [sem partido], na maior pandemia, nós devemos virar agora a casa dos 2,5 milhões empregos", disse Onyx no 93º Encontro Nacional da Indústria da Construção (ENIC), acrescentando que, "se tudo correr bem até dezembro", o país terá um recorde histórico na geração de emprego formal neste ano.

Mas não é possível fazer esse tipo de afirmação, porque o Caged mudou sua metodologia em 2020, o que impede a comparação com anos anteriores.

Informalidade ainda é alta

Ainda que o Brasil siga criando vagas de emprego com carteira assinada, a informalidade continua alta. Segundo dados do IBGE, o país alcançou uma taxa de informalidade de 40,6% no terceiro trimestre, com mais de 37,7 milhões de trabalhadores atuando informalmente.

Já a proporção de trabalhadores ocupados contribuindo para a Previdência Social diminuiu, ficando em 62,9% no período. No segundo trimestre, de maio a junho, essa fatia era de 63,5%.

"Embora a ocupação venha aumentando, a contribuição de ocupados vem caindo. Porque essa expansão da ocupação parte de trabalhadores informais que geralmente não têm essa contribuição para a Previdência", explicou Adriana Beringuy, coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE.

(Com Estadão Conteúdo)

PUBLICIDADE

Empregos e carreiras