PUBLICIDADE
IPCA
0,67 Jun.2022
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

BC dos EUA deve acelerar alta dos juros para conter inflação histórica

marchmeena29/iStock
Imagem: marchmeena29/iStock
só para assinantes

Rafael Bevilacqua

14/07/2022 09h43

Esta é a versão online da edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

Pressionada pela alta dos combustíveis e dos alimentos, a inflação avançou 1,3% em junho nos Estados Unidos, chegando a incríveis 9,1% nos últimos 12 meses —o maior nível para o período em 41 anos.

Em meio à alta dos preços, as projeções para a maior economia do mundo têm se deteriorado em ritmo acelerado, fazendo crescer os temores de uma recessão.

A inflação se aproxima dos dois dígitos nos EUA, enquanto os juros ainda se encontram no patamar entre 1,5% e 1,75% ao ano.

Para buscar a estabilidade de preços, o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) deverá acelerar ainda mais o ritmo de alta dos juros.

Entre os dias 26 e 27 deste mês, os membros do Federal Open Market Committee (Fomc, o comitê de política monetária dos EUA) se reunirão para decidir os rumos da política monetária norte-americana, e as apostas já se concentram em uma alta entre 0,75 e 1,0 ponto percentual da taxa básica de juros.

Contudo, apesar de necessária, a elevação dos juros aumenta exponencialmente o risco de recessão, uma vez que esse movimento torna o crédito mais caro e desestimula o consumo, esfriando a atividade econômica.

Assim, a cada novo passo do Fed em terreno contracionista, as perspectivas para o mercado norte-americano - e global - se deterioram ainda mais, o que se reflete nos preços dos ativos.

Desde o início deste ano, quando o cenário base ainda era muito mais otimista, o índice de ações S&P 500, o mais importante dos EUA, acumula perdas de mais de 20%. Ao que tudo indica, há espaço para que as Bolsas de Valores dos EUA caiam ainda mais antes de os preços atingirem a estabilidade.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes UOL, que possuem acesso integral ao conteúdo de UOL Investimentos): informações sobre a prévia trimestral da construtora e incorporadora Even.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

**********

NA NEWSLETTER CARTEIRA RECOMENDADA

A newsletter Carteira Recomendada fala sobre o que esperar da cotação do petróleo, entre sanções à Rússia e temores de uma recessão. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.