IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

Azul (AZUL4) reduz prejuízo em 10% no 1T23; ações caem no Ibovespa hoje

15/05/2023 10h38

As ações da Azul (AZUL4) são negociadas em queda no Ibovespa hoje desta segunda (15). O movimento ocorre após a empresa reduzir em 10% o prejuízo líquido ajustado da sua operação, segundo as informações apresentadas no balanço do primeiro trimestre de 2023 (1T23).

Por volta das 13h05 do Ibovespa hoje, as ações da companhia aérea eram negociadas em queda de 4,59%, aos R$ 12,27.

De acordo com o mapeamento do Status Invest, nos últimos doze meses, as ações da Azul apresentam uma queda de 42,38%. Confira o gráfico:

Azul no 1T23

De acordo com o balanço da Azul do 1T23, a empresa fechou o primeiro trimestre de 2023 com um prejuízo líquido ajustado de R$ 727,6 milhões, queda de 10% ante o 1T22. Segundo a empresa, o "resultado líquido foi ajustado por resultados não realizados de derivativos e taxa de câmbio".

Confira os principais números do balanço da Azul:

  • Receita líquida total: R$ 4.478 bilhões, alta de 40,3% ante 1T22;
  • Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização): R$ 1.030 bilhão, alta de 73,8% ante 1T22;
  • Resultado líquido ajustado: Prejuízo de R$ 727,6 milhões, queda de 10% ante 1T22;

John Rodgerson, CEO da Azul, afirmou no balanço que está otimista com o futuro da Azul em 2023:

Olhando para o futuro, não poderíamos estar mais animados com as tendências que estamos vendo no ambiente de demanda, combinadas com a queda acentuada nos preços dos combustíveis.

"Por exemplo, ao olharmos a curva futura de combustíveis, na segunda metade do ano os preços estão atualmente 29% abaixo dos níveis que vimos no primeiro trimestre. Isso, combinado com nossa estrutura de custos eficiente, um ambiente de capacidade disciplinada e nossa maior presença em Congonhas, nos deixam otimistas para o resto do ano e para o futuro", destacou o CEO da companhia aérea.

Para o resto deste ano, a Azul estima que o crescimento de sua capacidade será de aproximadamente 14% ante 2022. "Combinado com o crescimento contínuo da receita, nossas iniciativas de redução de custos e um ambiente competitivo racional, continuamos confiantes em um Ebitda para 2023 de cerca de R$ 5,5 bilhões excluindo itens não recorrentes", afirmou a gestão.