Bolsas

Câmbio

EUA: funcionários de Inteligência duvidam de programa de cibersegurança

Washington, 11 Mai 2017 (AFP) - Altos funcionários da Inteligência americana expressaram publicamente nesta quinta-feira suas dúvidas sobre a empresa de cibersegurança Kaspersky Labs, por seus supostos vínculos com a Rússia.

Essa empresa privada, com sede em Moscou, oferece antivírus e outros programas para proteger computadores, mas existem temores de que essas ferramentas sirvam, pelo contrário, para espionar.

"Estamos muito preocupados e nos concentramos nesta questão", disse o diretor interino do FBI, Andrew McCabe, ao ser perguntado sobre a ameaça de segurança relacionada com o software da Kaspersky, durante uma audiência no Senado sobre as ameaças externas para os Estados Unidos.

O diretor da Agência de Inteligência de Defesa, o tenente-geral Vincent Stewart, disse que sua agência evita os produtos dessa empresa.

"Pelo o que eu sei, não há software de Kaspersky em nossas redes", assegurou.

Também expressaram suas preocupações aos chefes da Agência Central de Inteligência (CIA), a Agência Nacional de Segurança (NSA), a Agência Nacional de Inteligência Geoespacial e a Inteligência Nacional.

O chefe da NSA, Mike Rogers, disse estar "consciente" dos problemas causados pela companhia.

A Kaspersky foi fundada em 1997 em Moscou por Eugene Kaspersky, um engenheiro de informática que serviu no Exército russo. A companhia se expandiu rapidamente, conquistando uma presença global, com 3.600 funcionários, 400 milhões de usuários e receitas de 620 milhões de dólares em 2015, segundo sua página na internet.

Seus antivírus costumam aparecer no top 5 desse tipo de programas para computadores pessoais e de empresas.

Funcionários americanos têm dúvidas pelo recrutamento de seus trabalhadores, com supostos vínculos com instituições russas de defesa e inteligência.

A Kaspersky rejeitou qualquer tipo de vínculo com nenhum governo.

"A empresa nunca ajudou, nem ajudará a nenhum governo do mundo em suas tentativas de ciberespionagem", disse em um comunicado nesta quinta-feira.

"A Kaspersky Lab acredita que é totalmente inaceitável que a companhia seja acusada injustamente sem nenhuma prova sólida que respalde essas acusações falsas".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos