ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Trump critica investigação de negócio imobiliário com a Rússia

30/11/2018 10h50

Buenos Aires, 30 Nov 2018 (AFP) - O presidente americano Donald Trump reiterou nesta sexta-feira sua inocência em relação ao acordo imobiliário com Moscou que faz parte da investigação sobre um suposto conluio de sua campanha de 2016 com a Rússia.

Os tuítes do presidente, que está em Buenos Aires para a cúpula do G20, foram postados depois que seu ex-advogado Michael Cohen se declarou culpado de mentir ao Congresso sobre esse negócio de bens para limitar a investigação sobre a interferência russa na campanha eleitoral.

"Ah, agora entendo! Eu sou um empreendedor muito bom, vivendo feliz a minha vida, quando vejo que o nosso país está indo na direção errada (para dizer o mínimo)", tuitou o presidente.

"Contra todas as probabilidades, decido concorrer à presidência e continuar com meu negócio muito legal e muito bom, algo de que falei durante a campanha", acrescentou.

"Apenas avaliei a opção de construir um prédio em algum lugar na Rússia", continuou Trump. "Eu coloquei zero dinheiro, zero garantias e não fiz o projeto. Caça às bruxas!"

Michael Cohen, que chegou a dizer estar disposto a tomar um tiro para defender o magnata imobiliário, se declarou culpado de uma acusação de falso testemunho apresentada pelo procurador especial Robert Mueller, que lidera a investigação independente sobre a possível conivência russa com a campanha de Trump durante as eleições de 2016.

Cohen afirmou que mentiu em um testemunho escrito ao Congresso em que sugeria que esse projeto imobiliário havia sido arquivado em janeiro de 2016, antes do início das eleições primárias.

Ao contrário do que disse inicialmente, o projeto foi discutido várias vezes após janeiro de 2016, e as tentativas de se obter a aprovação do governo russo permaneceram até junho do mesmo ano.

Cohen inclusive avaliou viajar à Rússia para discutir o projeto, em maio de 2016, quando lhe foi oferecida a oportunidade de conhecer o presidente russo ou o primeiro-ministro, à margem de uma reunião em junho.

Semanas depois, em julho, Trump obteve a indicação republicana para disputar a presidência.

Na quinta-feira, Trump chamou Cohen de "pessoa fraca" e destacou que o acordo imobiliário com investimento russo não se concretizou.

"Está mentindo sobre um projeto que todos conheciam", disse Trump na Casa Branca antes de viajar à Argentina para participar da Cúpula do G20.

Pouco depois, Trump cancelou uma reunião em Buenos Aires com o presidente russo, Vladimir Putin, citando o confronto entre Moscou e Kiev pela captura de três navios de guerra ucranianos.

bur-mdo/pma/yow

Mais Economia