PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

EUA: ataques contra refinarias sauditas foram lançados do Irã

17/09/2019 11h49

Washington, 17 Set 2019 (AFP) - Os Estados Unidos compartilharam com a Arábia Saudita informações de que os ataques a instalações de petróleo sauditas no fim de semana foram lançados a partir do Irã, publicou The Wall Street Journal.

"As autoridades americanas compartilharam informações dos serviços de inteligência com a Arábia Saudita e sua conclusão é que o Irã lançou mais de vinte drones e pelo menos uma dúzia de mísseis contra instalações de petróleo sauditas no sábado", afirmou o jornal americano citando fontes próximas ao caso.

Autoridades sauditas estimam que os Estados Unidos não têm provas suficientes para afirmar que os ataques foram lançados pelo Irã, publicou o jornal, acrescentando que os Washington planeja fornecer a Riad mais treinamento nos próximos dias.

Os Estados Unidos e a Arábia Saudita estão tentando determinar quem foi o responsável pelos ataques contra duas refinarias na Arábia Saudita que fizeram com que a produção do primeiro exportador de petróleo do mundo caísse pela metade.

A Arábia Saudita considerou na segunda-feira que as armas usadas no ataque foram fabricadas no Irã e disse que a origem dos lançamentos está sendo investigada.

Enquanto isso, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, quando questionado por jornalistas sobre se ele acreditava que Teerã era o responsável pelo ataque, respondeu: "Certamente, é o que parece neste momento".

O presidente americano disse ainda que seu país quer determinar com certeza quem realizou o ataque e também expressou seu empenho em ajudar a Arábia Saudita, embora tenha dito que gostaria de evitar uma guerra.

A ofensiva foi reivindicada pelos rebeldes xiitas huthis do Iêmen, país em guerra civil em que Riad lidera uma coalizão militar desde 2015, ao lado do governo, para tentar conter a rebelião apoiada pelo Irã.

Mas o exército saudita rejeitou esta versão e o secretário de Estado americano Mike Pompeo criticou o Irã no sábado por afirmar que não havia evidências de que drones foram lançados a partir do Iêmen.

bur-qan/la/tm/rsr/cn