Petróleo fecha em alta em meio a tensões persistentes no Oriente Médio

Os preços do petróleo fecharam em leve alta nesta quarta-feira (7), em um mercado que não vê melhoras na escalada de tensões no Oriente Médio, apesar das negociações para se alcançar uma trégua em Gaza.

O preço do barril de Brent do Mar do Norte para entrega em abril fechou em alta de 0,78%, a 79,21 dólares.

O West Texas Intermediate (WTI) americano para entrega em março, por sua vez, avançou 0,47%, a 73,86 dólares o barril.

"Os preços sobem enquanto persistem as tensões no Oriente Médio, o que aumenta a preocupação com a oferta", comentou, em nota, Susannah Streeter, analista da Hargreaves Lansdown.

O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, em visita à região, afirmou, nesta quarta-feira, que ainda há "margem para um acordo" sobre os reféns israelenses que o movimento islamista Hamas capturou em uma incursão sem precedentes em 7 de outubro em Israel.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, havia descartado anteriormente a possibilidade de uma pausa nos combates, negando-se a ceder às "exigências insensatas do Hamas".

Na falta de grandes avanços, os preços do petróleo "sobem um degrau em cada sessão", considerou Stephen Schork, do Schork Group.

Na terça-feira, em outro foco de tensão no Oriente Médio, os rebeldes huthis do Iêmen voltaram a atacar embarcações no Mar Vermelho, o que causou danos a um cargueiro grego, mas sem deixar feridos.

A agência de notícias huthi reportou, nesta quarta-feira, que Estados Unidos e Reino Unido tinham voltado a bombardear alvos deste movimento pró-iraniano no Iêmen em resposta aos ataques ao comércio internacional.

Continua após a publicidade

O aumento dos preços do petróleo só foi contida nesta quarta pela publicação do informe semanal sobre reservas de cru nos Estados Unidos.

A Administração de Informação Energética reportou um aumento de 5,5 milhões de barris nas reservas comerciais de cru, mais que o dobro dos 2 milhões previstos pelos analistas.

tu/er/arm/mar/mvv/am

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes