PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

O megapacote econômico anunciado pelo governo do Peru para enfrentar a crise do coronavírus

Sistema de saúde do Peru é deficiente - Getty Images
Sistema de saúde do Peru é deficiente Imagem: Getty Images

Daniel García Marco - BBC News Mundo

01/04/2020 19h06

Um plano sem precedentes para uma crise sem precedentes.

O governo peruano está preparando o maior plano econômico da América Latina até o momento para mitigar o impacto da crise do coronavírus.

Serão mais de US$ 25 bilhões (R$ 130 bilhões), o equivalente a 12% do PIB do país.

Esses números são muito superiores às medidas de estímulo já aprovadas por outros países da região: a Argentina, por exemplo, prevê ajuda de US$ 5,7 bilhões, com subsídios diretos e financiamento de negócios que equivalem a 1% de seu PIB.

"O impacto econômico do que está acontecendo é sem precedentes e o plano econômico que temos que implementar é um plano sem precedentes", disse na TV María Antonieta Alva, ministra de Economia e Finanças do Peru, um dos primeiros países a tomar medidas severas de restrição à movimentação de pessoas.

Pelo menos até 12 de abril, um confinamento obrigatório com toque de recolher está em vigor, além do fechamento de fronteiras e espaço aéreo.

Até segunda-feira, 30 de março, o Peru registrou pelo menos 900 casos confirmados e 24 pessoas morreram pelo vírus que causou a pandemia.

Aos moldes da Dinamarca

"No estágio de contenção, estimamos que vamos gastar, em uma (primeira) fase, 30 bilhões de soles (US$ 8,5 bilhões)", anunciou Alva no domingo.

Haverá uma segunda fase, revelou o presidente do Banco Central do Peru, que consiste em um esquema de empréstimos a empresas de mesmo valor.

Em uma terceira etapa, seriam gastos outros US$ 8,5 bilhões, acrescentou a ministra.

"Temos que usar o dinheiro público para atender às necessidades das famílias vulneráveis", disse o presidente do país, Martín Vizcarra, na semana passada.

"Houve uma reação imediata e grande em saúde e economia", disse Hugo Ñopo, pesquisador principal do centro de pesquisa Grade, em entrevista à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

Mas além das medidas sanitárias, como é possível que o Peru ofereça um pacote de ajuda e estímulo que, em termos de porcentagem do PIB, seja comparável ao da Dinamarca?

Uma das menores dívidas públicas do continente

"Temos o suporte fiscal para tomar medidas ousadas", disse Alva, confiante nas finanças do Peru.

O país andino tem um bom colchão de poupança após três décadas de disciplina fiscal e dívida baixa, o que também oferece boas linhas de crédito para organizações multilaterais.

"As finanças públicas do Peru são as mais fortes da América Latina", disse à BBC News Mundo Jorge Chávez, ex-presidente do Banco Central do Peru e agora CEO da empresa de consultoria Maximixe.

Segundo a Reuters, o Peru possui cerca de US$ 68 bilhões em reservas no Banco Central e uma dívida pública de 27% do PIB, uma das mais baixas da América Latina.

O país também tem inflação baixa e sua moeda, o sol, é uma das menos voláteis da região.

"Nossas economias e nossos ativos nos permitem enfrentar a crise", disse Alva.

"Não economizaremos recursos para proteger a saúde dos peruanos, contendo o coronavírus, e também garantiremos a recuperação econômica", acrescentou.

Reservas internacionais

Os números parecem embasar as declarações da ministra.

"Felizmente, o país está bem posicionado em termos de reservas, números macro e fiscais. Temos espaço para investir o que economizamos em 30 anos de disciplina macro e fiscal", diz Ñopo.

"É agora que essa disciplina está dando resultado" , acrescenta o analista.

"É por isso que acumulamos reservas internacionais: para que, quando houver uma emergência como essa, possamos usá-las", acrescenta Chávez, ex-presidente do Banco Central.

Ñopo destaca que o fantasma da hiperinflação em 1990, que atingiu mais de 7.000%, ainda assusta os peruanos.

E esse medo ajudou o país a manter uma disciplina fiscal "rara nas economias latino-americanas".

"(A partir de 1990) todos perceberam que estabilidade, equilíbrio fiscal é algo com que não se brincar, sagrado", diz Chávez, que presidiu o Banco Central durante o processo de reestruturação e estabilização iniciado em agosto de 1990.

Além dessa disciplina, o Peru aproveitou o boom da globalização econômica nas últimas décadas e o aumento contínuo do preço das commodities, sua principal fonte de exportações.

"Agora é a hora de o governo retornar aos cidadãos o resultado dessa disciplina e perseverança", diz Ñopo.

Por todas essas razões, o Peru também está em uma melhor posição para sair menos afetado da crise econômica do coronavírus, que parece uma séria ameaça à região.

"Somos os melhores preparados dentro das limitações que temos", diz Ñopo.

Chávez concorda com ele.

"Isso já foi visto em situações anteriores, como na crise financeira internacional de 2008: a economia peruana em 2009 cresceu cerca de 1%; e em 2010, 10%", lembra ele.

"(A economia peruana) terá capacidade de se recuperar rapidamente, embora tudo dependa de quanto tempo a quarentena durar, que é o que tem o impacto mais negativo", ressalva.

Apesar do plano, o impacto do coronavírus será sentido, porque o Peru também tem pontos fracos.

"Somos uma economia altamente informal, as redes de proteção ainda são precárias, temos variáveis ??estruturais na microeconômica que ainda são muito precárias", diz Ñopo.

O avanço da economia nas últimas três décadas fez o Peru deixar de ser um país pobre para um país de renda média.

Mas esse progresso não foi tão refletido em uma rede de saúde ainda muito fraca, razão pela qual o governo tomou medidas tão rígidas tão rapidamente para evitar a tensão do sistema.

Além disso, a economia do Peru registra seu pior momento em uma década.

Em 2019, cresceu 2,2%, abaixo dos 4% do ano anterior, devido, entre outros fatores, à queda no setor pesqueiro e à guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

Antes da crise do coronavírus, o governo estimava um crescimento de 4%, taxa difícil de ser alcançada agora.

Como sua economia se baseia na exportação de matérias-primas, o Peru está muito exposto ao apetite da China, destino de 28% das exportações do país e de 70% de suas vendas de cobre.

Ou seja, um crescimento menor do gigante asiático, o que é previsto para este ano, terá forte influência nas finanças do país sul-americano.

Já em dezembro do ano passado, o país admitiuque não alcançaria a meta de reduzir seu déficit fiscal para 1% do PIB em 2021 e a adiou para 2024.

Economia