Bolsas

Câmbio

BCE enfatiza possibilidade de ação caso necessário

Jeff Black, Lukanyo Mnyanda e Jeanna Smialek

(Bloomberg) -- Autoridades do Banco Central Europeu enfatizaram sua disposição de aliviar a política monetária ainda mais caso surjam novos riscos para as perspectivas econômicas.

Em Frankfurt e Bruxelas as autoridades disseram que vão tomar todas as medidas são necessárias para ajudar a economia e impulsionar a inflação. Falando em Lisboa na quinta-feira, o presidente Mario Draghi disse que ainda tem muitas ferramentas à sua disposição - embora seus colegas tenham enfatizado que o financiamento de estímulo fiscal não está incluído.

"Enfrentamos incerteza quanto às perspectivas para a economia global", escreveu Draghi no relatório anual do banco central, apresentado em Bruxelas na quinta-feira. "Enfrentamos continuadas forças desinflacionistas. E enfrentamos questões sobre a direção da Europa e sua capacidade de resistência a novos choques. Nesse ambiente, o nosso compromisso com o nosso mandato continuará a ser uma âncora de confiança para a Europa ".

Como os relatórios econômicos mostram um retrato de uma recuperação sem brilho, a região é contra uma série de ameaças que minam a confiança em sua estabilidade política e financeira, desde o agravamento da crise migratória às dúvidas persistentes sobre bancos italianos. Com renovada turbulência política na Grécia, e a Espanha ainda sem um governo depois de uma eleição em dezembro, todos esses fatores estão deixando os investidores nervosos e derrubando títulos públicos espanhóis, italianos e portugueses.

Desde que o BCE cortou as taxas no mês passado para níveis recorde e expandiu seu programa de compra de títulos, os membros do Conselho do BCE têm repetidamente enfatizado que o banco central não ficou sem espaço para novos estímulos.

"Se novos choques adversos se concretizarem, nossas medidas poderiam ser recalibradas outra vez, proporcionais à força das adversidades, levando em conta possíveis efeitos colaterais", disse Peter Praet, economista chefe do BCE em Frankfurt.

A inflação na área do euro tem ficado abaixo da meta do BCE nos últimos três anos. Mesmo com mais de 1,7 trilhões de euros (US $ 1,9 trilhão) em flexibilização quantitativa, o banco central não prevê um retorno a essa meta antes do final de 2018.

Embora o BCE tem defendido seu ativismo, autoridades têm lamentado cada vez mais a falta de esforços políticos para impulsionar o crescimento. Benoit Coeuré, membro do conselho responsável pelos assuntos europeus, disse que a sua política seria mais eficaz se outros agissem também.

O presidente do Banco da Itália, Ignazio Visco, ligou a discussão sobre um estímulo monetário mais extremo ao déficit institucional na área do euro.

"A ideia é que a política monetária não pode ser deixada em isolamento, isso é muito importante, precisamos nos engajar e continuar uma discussão", disse Visco. "Nesta união muito imperfeita a que pertencemos, eu sinto que, no final, mantendo-se por um longo período, a moeda sem o Estado será impossível."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos