Bolsas

Câmbio

Análise: China espirra e países mais próximos pegam os piores resfriados

Malcolm Scott

(Bloomberg) -- Quanto mais próximos da China, mais atingidos pela desaceleração do crescimento da segunda maior economia do mundo ao menor ritmo em 25 anos.

Hong Kong, Macau e Taiwan viram suas economias encolherem no primeiro trimestre, enquanto a rápida expansão impulsionada pelas commodities na Mongólia perdeu força. E as notícias ruins não terminam aqui.

"Os reflexos provavelmente se espalharão ainda mais", disse Frederic Neumann, codiretor de pesquisa econômica asiática do HSBC Holdings em Hong Kong. "À medida que a economia da China continuar esfriando provocará um contínuo atraso da produção global, reduzindo as pressões inflacionárias e fixando as taxas de juros no processo. O mal-estar econômico atualmente experimentado pelos vizinhos mais próximos da China, portanto, é apenas o prenúncio de uma versão mais suave que afligirá economias de todas as partes quando a China perder força."

Esta já é a realidade enfrentada por Hong Kong.

A região administrativa especial da China, que tem alguma autonomia limitada, por exemplo no tocante à operação da economia, viu seu status de porta de entrada financeira para a China continental diminuir depois que cidades como Shenzhen e Shanghai desabrocharam. Enquanto isso, os gastadores turistas chineses não estão chegando na quantidade de antes porque têm se aventurado em lugares mais distantes, como Japão ou Tailândia.

A repressão à corrupção na China prejudicou as receitas nas mesas de bacará de Macau, outra região administrativa especial. A receita com jogos de azar na antiga colônia portuguesa caiu por 23 meses seguidos até abril e o PIB encolheu 13,3 por cento no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior.

As fabricantes de produtos tecnológicos de Taiwan enfrentam concorrência maior de rivais da China continental. Trata-se de um golpe duplo para a ilha, que também está sendo atingida pela desaceleração da demanda da China -- seu maior mercado. As exportações caíram por 15 meses seguidos até abril e o PIB encolheu 0,68 por cento em relação ao ano anterior.

No caso da Mongólia, a desaceleração da vizinha do sul, que consome cerca de quatro quintos de suas exportações, gerou reflexos e a queda dos preços das commodities enfraqueceu seus maiores produtos de exportação, como o carvão, o petróleo e o cobre. Embora sua economia tenha conseguido uma expansão de 3,1 por cento no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, o ritmo é muito menor que o de 17,5 por cento registrado no quarto trimestre de 2011.

"Parafraseando Tolstói, todos os países felizes são iguais, todos os países infelizes são infelizes por suas próprias razões", disse o economista da Bloomberg Tom Orlik. "Eles são tão pequenos que mesmo uma China que cresce pouco deve continuar sendo um motor de crescimento significativo se eles puderem se posicionar de forma efetiva. A dificuldade é conseguir isso."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos