ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Xiaomi pode se tornar fabricante de telefone mais cara do mundo

Ben Scent e Crystal Tse

21/06/2018 12h13

(Bloomberg) -- Mesmo depois de reduzir as ambições em relação à sua avaliação, a Xiaomi ainda tem uma chance de se tornar a mais cara do mundo entre as grandes fabricantes de equipamentos telefônicos.

A marca de smartphones chinesa está vendendo ações em sua oferta pública inicial em Hong Kong a até 51,3 vezes os lucros estimados para este ano, segundo uma pessoa a par do assunto. A avaliação, que pressupõe uma opção de compra suplementar, seria a mais elevada para uma comerciante global de equipamentos de comunicação com capitalização de mercado de pelo menos US$ 10 bilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg.

A Xiaomi busca uma avaliação mais de três vezes superior ao múltiplo pelo qual a Apple é negociada, mostram os dados. Representaria também um prêmio em relação a grandes empresas da internet da China como a Tencent Holdings e a Alibaba Group Holding, do bilionário Jack Ma.

Os bancos que organizam o IPO da Xiaomi estão promovendo a companhia como uma empresa de rápido crescimento criada como uma marca de telefones que desde então se expandiu para aparelhos domésticos inteligentes e serviços de internet de alta rentabilidade. Analistas do Morgan Stanley, um dos subscritores do IPO, argumentaram que a empresa também deve buscar múltiplos mais elevados do que os de fabricantes de hardware como Fitbit e GoPro.

Mesmo fatiada de outra forma a Xiaomi busca um prêmio significativo. Baseando a comparação nas projeções de lucro para 2019, a faixa de preço do IPO da Xiaomi se traduz em 22,7 vezes a 29,3 vezes os lucros, disseram pessoas com conhecimento do assunto. Na extremidade mais alta, o múltiplo ainda é duas vezes mais caro que o da Apple e um pouco mais caro que o múltiplo de lucros de 28 vezes da Tencent, a maior empresa de internet da China.

Uma representante da Xiaomi disse que não poderia comentar imediatamente os múltiplos dos lucros.

--Com a colaboração de Vinicy Chan.

Repórteres da matéria original: Ben Scent em Hong Kong, bscent@bloomberg.net;Crystal Tse em Hong Kong, ctse44@bloomberg.net

Mais Economia