PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

China pode liberar mais ferramentas de flexibilização, diz BNP

Bloomberg News

20/07/2018 12h27

(Bloomberg) -- Pequim pode liberar mais medidas de flexibilização e em um ritmo mais rápido do que o esperado pelo mercado e as medidas provavelmente serão direcionadas, segundo o BNP Paribas.

Os líderes da China estão determinados a dar continuidade à campanha de redução da dívida, mesmo que gere mais sofrimento econômico, o que se reflete na preferência por uma flexibilização direcionada em vez de um relaxamento mais amplo, disse Chi Lo, economista sênior para a grande China do BNP Paribas Asset Management.

A segunda maior economia do mundo é afetada pela guerra comercial que está em formação, pela desaceleração do crescimento, pelo bear market das ações e pela desvalorização do yuan. Os investidores estão na expectativa de que a reunião de cúpula do governo, neste mês, ajude a decifrar a resposta das autoridades.

Nos próximos meses, as autoridades de Pequim poderão adotar as seguintes medidas para administrar o sentimento, segundo Lo:

- Injeções mais seletivas de liquidez por meio das diversas ferramentas de financiamento do Banco Popular da China, como a linha de empréstimos a médio prazo e reduções no índice de reserva obrigatória, o volume de capital que os bancos precisam estocar no banco central. Cortes na taxa de juros de referência podem surgir como último recurso, porque poderiam minar a política antialavancagem.

- Aumento dos gastos fiscais, especialmente em infraestrutura.

- Relaxamento do escrutínio a projetos de parceria público-privada e outras propostas de investimento para acelerar o investimento.

- Cortes de impostos.

- Desaceleração do ritmo de aperto regulatório para instituições financeiras não bancárias para aliviar a pressão sobre o financiamento paralelo.

- Aprovação de mais emissões de títulos de governos locais para ajudar a financiar projetos de investimento. No segundo semestre deste ano deve ocorrer um aumento das emissões.

To contact Bloomberg News staff for this story: Miao Han em Pequim, mhan22@bloomberg.net