PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Imitadora siberiana da Uber leva modelo de pechinchar aos EUA

Ilya Khrennikov

29/08/2018 16h11

(Bloomberg) -- Criada em uma cidade siberiana gelada da região de mineração de diamantes da Rússia, uma startup está crescendo graças a uma reviravolta no modelo de negócios que transformou a Uber Technologies no maior serviço de transporte compartilhado do mundo.

A Uber e a maioria de suas imitadoras geralmente determinam suas tarifas usando algoritmos que levam em conta horário de pico, trânsito e até mesmo o que acham que um cliente está disposto a pagar. Mas a InDriver permite que os passageiros informem o que querem gastar em uma corrida -- e os motoristas que estão por perto usam o aplicativo para aceitar ou para negociar uma tarifa mais alta.

O recurso de negociação da InDriver permitiu que a empresa realizasse 1 milhão de corridas desde abril em seis países da América Latina, entre eles o México e a Colômbia. Agora, a empresa -- que tem 200 funcionários -- levantou US$ 10 milhões em financiamento inicial da Leta Capital para entrar no mercado dos EUA no quarto trimestre.

"Começamos a expansão internacional na América Latina porque achamos que é uma região onde as pessoas gostam de pechinchar", disse o fundador e CEO da InDriver, Arsen Tomsky, em entrevista da República Dominicana. "Além disso, há menos guerra de preço e menos concorrência de motos do que em lugares como o Sudeste Asiático ou a Índia."

Concorrência

A InDriver se expandiu em regiões remotas da Rússia, mas à medida que foi chegando a cidades maiores, a concorrência ficou mais acirrada. Quando a empresa começou a oferecer corridas em Moscou no ano passado, ela foi obrigada a se concentrar em corridas mais longas em vez de corridas mais curtas para encontrar uma posição de mercado lucrativa. O impulso internacional da empresa ocorre em um momento em que a Uber, com sede em São Francisco, também se vê cada vez mais limitada por governos municipais e nacionais preocupados com o congestionamento do trânsito após anos de crescimento mundial sem controle.

A InDriver surgiu em 2012 em Yakutsk, uma cidade siberiana onde a temperatura média anual é de vários graus abaixo de zero. Durante uma onda de frio, as empresas de táxi locais decidiram quase dobrar as tarifas e a população local revidou criando um grupo on-line em redes sociais em que os passageiros informavam um destino e o que eles estavam dispostos a pagar e os motoristas aceitavam ou negociavam o preço.

Quando o grupo das redes sociais se expandiu, Tomsky, um empreendedor local de TI, percebeu o sucesso e fez um acordo com os fundadores para converter os serviços em um aplicativo que seria lançado em todas as regiões da Rússia. Agora a empresa tem 5 milhões de usuários na Rússia, onde concorre com a líder do mercado, a Yandex.Taxi, e com a israelense Gett em cidades maiores.

Os primeiros meses de operações em 13 cidades do México, Peru, Chile, Colômbia, Guatemala e El Salvador foram bem-sucedidos, mas atraíram a concorrência da Uber, da brasileira Easy Taxi Serviços e da espanhola Cabify, disse Tomsky. A empresa quer se expandir para 30 países até o fim do ano que vem. Ele preferiu não divulgar mais detalhes sobre a expansão planejada da empresa nos EUA.

Uma coisa que Tomsky não fará é investir muito em marketing tradicional. Na cidade mexicana de Saltillo, a InDriver levou diamantes de Yakutsk e ofereceu às pessoas que compartilhavam seus posts nas redes sociais a possibilidade de ganhar as pedras preciosas. Tomsky disse que campanhas de relações públicas baratas como a do México estimulam as postagens nas redes sociais e aumentam a presença da marca por uma fração do custo das publicidades tradicionais.