PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Varejista chinesa JD lançará loja no Google para crescer nos EUA

Bloomberg News

18/10/2018 12h52

(Bloomberg) -- A JD lançará até o final do ano uma loja virtual nas plataformas de compras do Google para vender diretamente aos consumidores americanos, na esperança de conquistar uma presença maior nos EUA apesar do crescimento das tensões comerciais entre os EUA e a China.

A segunda maior varejista on-line da China se prepara para montar uma loja nas plataformas do Google, o mais recente esforço da gigante de buscas dos EUA para entrar no comércio eletrônico e obter mais receita com publicidade. A iniciativa é a primeira a surgir desde que o Google comprou uma participação de US$ 550 milhões na JD no início deste ano e acabará sendo lançada globalmente.

A JD obtém a maior parte de sua receita na China, mas está contando com uma expansão internacional para ajudar a compensar a desaceleração do crescimento em casa. A companhia quer se tornar uma fornecedora global em parte devido à crescente concorrência de nomes como a rival de maior porte Alibaba Group Holding e a novata Pinduoduo. No entanto, a empresa enfrenta forças contrárias potencialmente graves com a guerra comercial entre os EUA e a China, que poderia inflar os custos de frete ou impor uma pesada taxa sobre os bens importados.

"Quando o Google Shopping for lançado, a JD terá uma loja", disse a diretora de estratégia da JD Logistics, Bao Yan, à Bloomberg News. O Google cuidará do pagamento e do processamento de pedidos. "Despacharemos os produtos de centros de atendimento nos EUA para clientes finais nos EUA."

O site do Google agora oferece espaços de primeira para varejistas que pagam por anúncios promovidos. No início deste ano, o Google começou a distribuir ainda mais benefícios - como o processamento de pagamentos - para selecionar parceiros varejistas na luta contra a Amazon.

A gigante de compras chinesa já vende produtos nos EUA por meio de seu maior investidor e parceiro, o Walmart. Mas a parceria com o Google, da Alphabet, representa uma abordagem mais direta. Ao contrário da Alibaba, a JD possui e administra grande parte de seus próprios depósitos e serviços de entrega. Ela já opera instalações em Los Angeles - em parte para aproveitar a grande diáspora chinesa de lá - e planeja continuar se expandindo.

"Nosso modelo é operar vários centros de atendimento lá", disse ela. "Mas vamos trabalhar em estreita colaboração com parceiros para construir uma rede completa."

Além das tensões comerciais, a investida da JD nos EUA surge depois que o fundador e CEO Richard Liu foi preso por alegações de estupro. Ele não foi acusado de nenhum crime.

--Com a colaboração de Mark Bergen.

To contact Bloomberg News staff for this story: David Ramli em Pequim, dramli1@bloomberg.net;Dong Lyu em Pequim, dlyu3@bloomberg.net