PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Economia que mais cresce tem ar mais tóxico do mundo

Iain Marlow

22/10/2018 12h01

(Bloomberg) -- A maior economia da Ásia, a China, é conhecida há tempos pelo céu poluído. Mas atualmente a vizinha Índia trava uma batalha ainda maior contra a poluição: o país do sul da Ásia abriga as 10 cidades mais poluídas do mundo.

Nos arredores da capital da Índia, Nova Déli, Kusum Malik Tomar conhece o preço pessoal e econômico de respirar esse ar, um dos mais tóxicos do mundo. Aos 29, ela descobriu que a poluição é a provável causadora do câncer que cresce em seus pulmões. Ela nunca tocou em um cigarro. O marido, Vivek, vendeu terras para pagar o tratamento. Eles pediram dinheiro emprestado para a família. As economias deles lentamente desapareceram.

"O governo está pensando no crescimento econômico do país, mas as pessoas estão morrendo de doenças ou sofrendo de doenças", afirmou. "Como é possível crescer economicamente quando, dentro do país, os cidadãos têm problemas econômicos devido à poluição do ar?"

A Índia tem dificuldades há tempos para implementar o tipo de abordagem nacional coordenada que ajudou a China a reduzir a poluição. O governo do primeiro-ministro Narendra Modi está promovendo novas iniciativas que começam a combater esse ar prejudicial. Mas qualquer vitória teria que ser suficiente para se sobrepor a outras facetas do crescimento desenfreado da Índia, da poeira deixada pelos milhares de novos canteiros de obras à fumaça de milhões de carros novos.

Nas próximas semanas, as políticas do governo de Modi para a poluição serão colocadas à prova com a chegada do inverno nas planícies poeirentas do norte da Índia. As colheitas são queimadas durante essa estação e milhões de fogos de artifício são estourados durante o festival de Diwali, geralmente elevando a poluição do ar a níveis perigosos.

Se fossem implementadas políticas rigorosas de combate à poluição, os cidadãos e o governo da Índia seriam muito mais ricos. Segundo cálculos do Banco Mundial, os gastos em saúde e a perda de produtividade causados pela poluição custam à Índia cerca de 8,5 por cento do PIB. Diante do tamanho atual de US$ 2,6 trilhões, a fatia equivale a US$ 221 bilhões por ano.

A Índia é atualmente a grande economia que mais cresce no mundo e a economia chinesa, de US$ 12,2 trilhões, é cinco vezes maior. O país do sul da Ásia ainda tenta desesperadamente promover a manufatura básica, o que pode piorar a poluição, disse Raghbendra Jha, professor de economia da Universidade Nacional da Austrália.

"É muito simplista presumir que haverá uma transição suave" para um crescimento econômico limpo na Índia, disse.

O número de dias "muito insalubres" ou piores -- quando os níveis de partículas perigosas, chamadas PM2.5, superam 200 -- subiu em Nova Déli de 66 em 2015 para 84 em 2017, segundo análise dos dados de qualidade do ar da AirVisual. Em Pequim, eles caíram de 43 para 20 dias no mesmo período.

"O grande desafio é que as pessoas não estão exigindo consistentemente uma melhora da poluição do ar como aconteceu na China", disse Michael Greenstone, diretor do Energy Policy Institute da Universidade de Chicago, por e-mail. "Isso ocorre porque ainda não se reconhece totalmente até que ponto a poluição do ar está levando os indianos a terem vidas mais curtas e mais doentes."