PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Clarida, do Fed, diz que BC deve ficar atento a riscos globais

Christopher Condon e Piotr Skolimowski

28/03/2019 12h04

(Bloomberg) -- O vice-presidente do Federal Reserve, Richard Clarida, disse que os iminentes riscos econômicos internacionais ajudariam a manter o banco central em espera, enquanto as autoridades tentam avaliar o que eles significam para as perspectivas econômicas dos EUA.

"Os formuladores de políticas dos EUA dificilmente podem ignorar esses riscos", disse Clarida em texto de discurso feito nesta quinta-feira em Paris. "Na presença desses riscos e com as pressões inflacionárias silenciadas, podemos nos dar ao luxo de ser pacientes e dependentes de dados, pois avaliamos em reuniões futuras quais ajustes em nossa taxa podem ser necessários".

As autoridades do Fed apontaram a desaceleração do crescimento global, especialmente na China e na Europa, quando recuaram das projeções anteriores que indicavam aumentos nas taxas de juros em 2019. Após a reunião mais recente, eles reduziram as previsões para sinalizar que não haverá altas. Além disso, o presidente do Fed, Jerome Powell, ressaltou a mensagem dovish em sua coletiva de imprensa após a reunião em 20 de março, quando ele classificou a persistência da inflação abaixo da meta como "um dos maiores desafios do nosso tempo".

Clarida se concentrou nas preocupações globais em um simpósio patrocinado pelo Banco da França e pelo Fórum Europeu de Finanças. Ele disse que entre as ameaças que os mercados financeiros estão atentos estão "o Brexit, uma forte desaceleração nas perspectivas de crescimento global e tensões comerciais".

Funcionário número dois do Fed, Clarida também deu uma breve história de choques financeiros internacionais nos últimos anos para enfatizar a exposição dos mercados financeiros dos EUA e da economia americana a eventos globais. Ele observou que o Fed utilizou uma política de acomodação para amenizar as consequências no país de uma desaceleração da zona do euro de 2011 a 2013 e da China, em 2015 e 2016.

"A mensagem desses episódios recentes não é apenas sobre a importância de ajustes oportunos de políticas por parte do banco central", disse ele. "É também sobre a importância da maior resiliência das instituições financeiras que foi alcançada desde a crise financeira global."

--Com a colaboração de Carlyann Edwards.

Repórteres da matéria original: Christopher Condon em Washington, ccondon4@bloomberg.net;Piotr Skolimowski em Frankfurt, pskolimowski@bloomberg.net