IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Preços do avocado disparam e não mostram sinais de alívio

Michael Hirtzer e Andrea Navarro

27/06/2019 06h13

(Bloomberg) -- Quem gosta de avocados e espera um alívio nos preços recordes pode se decepcionar.

Os preços da fruta em forma de pera, uma variedade do abacate, devem continuar subindo até que os agricultores mexicanos comecem a colheita no final do verão no hemisfério norte. O avocado faz parte da metade dos cardápios nos Estados Unidos e é usado quase tudo, como torradas, tacos e saladas.

O preço do avocado Hass de Michoacán, polo produtor da América Latina, deu um salto de cerca de 7% na quarta-feira, para um recorde de 650 pesos por uma caixa de 10 quilos, segundo dados do governo com base em pesquisas diárias na Central de Abastos, na Cidade do México, o movimentado mercado de produtos por atacado.

A AvoPrice, plataforma que monitora preços em tempo real, registrou uma taxa de mais de 100 pesos por quilo na quarta-feira para avocados comprados diretamente dos produtores de Michoacán.

Os preços mostram a maior alta em pelo menos uma década este ano devido ao aumento das tensões comerciais e fronteiriças entre os EUA e México, o maior produtor de avocados e principal fornecedor do mercado americano. Uma safra menor na Califórnia também contribuiu para a disparada dos preços.

"É a escassez", disse o produtor Humberto Solorzano, de Michoacán, sobre os preços mais altos. "A atual temporada termina esta semana e a nova safra começa na semana que vem."

Além disso, os primeiros sinais de abacateiros que estão florescendo não foram promissores, disse Solorzano, que também é membro fundador da AvoPrice. Sem um contrato de futuros, o mercado de avocados pode ser relativamente opaco.

A oferta deve permanecer relativamente apertada até meados de julho, disse David Magana, vice-presidente e analista sênior do Rabobank, na Califórnia. "Vamos ver preços mais altos nas próximas duas a três semanas", disse por telefone.

--Com a colaboração de Patrick McKiernan.

Repórteres da matéria original: Michael Hirtzer em Chicago, mhirtzer@bloomberg.net;Andrea Navarro em Cidade do México, anavarro30@bloomberg.net

Mais Economia