IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Nova era de voos supersônicos pode terminar antes de começar

Jato supersônico da Boom - Divulgação
Jato supersônico da Boom Imagem: Divulgação

Christopher Jasper e Julie Johnsson

28/06/2019 10h50

(Bloomberg) -- O sonho de transportar passageiros mais rápido do que a velocidade do som deu origem ao Concorde nos anos 70, mas o pesadelo de tornar o jato rentável acabou levando ao seu desaparecimento menos de três décadas depois.

Empresas que competem para fabricar um sucessor para o icônico jato podem descobrir que o maior obstáculo não é a tecnologia ou a economia, mas a grande pegada de carbono resultante de velocidades extremas - especialmente quando fabricantes de aviões convencionais e motores dizem quem os jatos elétricos podem estar em breve no mercado.

Com a crescente preocupação da população e de políticos sobre as emissões do setor de aviação, o novo zelo ambiental de fabricantes como a Airbus ameaça fazer com que startups que queiram romper a barreira do som pareçam relíquias de uma era gananciosa que não se preocupa muito com o meio ambiente. Isso apesar dos avanços no design aerodinâmico, materiais e propulsão que podem dar início a uma segunda era supersônica.

Essas preocupações estavam expostas na feira Paris Air Show da semana passada, onde a Boom Technology, que desenvolve um avião Mach 2.2, de 75 assentos, fez de tudo para demonstrar as credenciais ecológicas do modelo.

O fundador e presidente da Boom, Blake Scholl, revelou que um programa de motores testou uma mistura de biocombustível de alta concentração que mostrou ser 3% mais eficiente do que o querosene tradicional. O executivo também anunciou que a Boom planeja uma parceria com a Prometheus Fuels, cuja tecnologia de captura de carbono limpa o CO2 do ar e o transforma em propelente líquido.

Pegada de carbono à parte, a visão de Boom de um futuro supersônico é certamente sedutora.

Viajar de Nova York para Londres e estar em casa a tempo de colocar os filhos na cama. Voar de São Francisco a Tóquio ou de Seattle a Xangai um dia inteiro e ainda participar de uma reunião na manhã de segunda-feira na Ásia. Ou voar entre Hong Kong e a capital japonesa em apenas duas horas. Não haveria assentos para deitar, porque nunca seria preciso dormir a bordo.

A Aerion, maior concorrente da Boom na corrida para retomar o voo supersônico e financiada pelo bilionário do Texas Robert Bass, adotou uma estratégia diferente com seu modelo AS2 em desenvolvimento. A aeronave Mach 1.4 transportaria 12 pessoas, com alvo principal na categoria de jatos executivos, refletindo uma visão de que o Concorde fracassou em parte porque era grande demais para seu mercado típico.

A diretora de tecnologia da Airbus, Grazia Vittadini, disse que a empresa está "muito próxima" de começar de reduzir sua dependência do combustível de aviação."É uma iniciativa da sociedade e um imperativo comercial, não apenas um desafio tecnológico", disse. "Realmente precisamos nos esforçar por uma aviação com emissão zero. Essa é a ambição final. "

Há também evidências de que os consumidores evoluem ainda mais rapidamente do que a tecnologia, especialmente entre os jovens, com um declínio das viagens aéreas nos aeroportos suecos e um salto paralelo em viagens de trem atribuído ao fenômeno descrito pelo termo sueco "flygskam" ou vergonha de voar.

Bahrein afunda Boeing 747 para criar parque de mergulho

UOL Notícias

Mais Economia