IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Direita organiza atos em apoio a Moro e Lava Jato após Intercept

Simone Iglesias e Bruce Douglas

29/06/2019 07h00

(Bloomberg) -- Dezenas de milhares de brasileiros devem voltar às ruas neste domingo, desta vez em defesa do ministro da Justiça, Sergio Moro, que vem sendo criticado por suas ações como juiz federal.

Organizado pelo movimento anti-corrupção Vem Pra Rua, as manifestações são destinadas a mostrar apoio à reforma da Previdência, medidas contra o crime e à operação Lava Jato. Tanto a imparcialidade de Moro e da investigação estão sob escrutínio após a publicação de mensagens de texto privadas entre o então juiz e promotores.

"Tudo é fumaça e não há fogo", disse Adelaide Oliveira, porta-voz do Vem Pra Rua. "Fogo falso, não afeta em nada a Lava Jato nem a imagem de Moro."

Desde junho de 2013, protestos em massa se tornaram comuns no Brasil, com os dois lados do eleitorado cada vez mais polarizado do país procurando demonstrar seu apelo popular nas ruas. Com pesquisa divulgada nesta semana mostrando um declínio no apoio ao governo em meio a deterioração econômica, altos níveis de desemprego e inúmeras controvérsias criadas pelo próprio governo, os protestos de domingo indicarão até que ponto o presidente Jair Bolsonaro pode continuar mobilizando sua base.

Moro, o homem que encarcerou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, retirando-o da eleição do ano passado, desfruta de status de herói para a direita, enquanto a esquerda o vê com suspeita. Essas divisões se aprofundaram nas últimas semanas, após revelações divulgadas a conta gotas pelo site The Intercept, mostrando que Moro parecia orientar os promotores sobre como garantir uma condenação no caso Lula. Moro insiste que não fez nada errado.

Aprofundando Divisões

"Para um terço da população que já desconfiava dele, piorou", disse Thomas Traumann, consultor político e ex-assessor presidencial. "Para outro um terço, continua sendo um grande herói e fez o que fez porque precisava enfrentar um monstro muito maior que é a corrupção. Para outro terço, que não está nos extremos dos que apoiam PT ou Bolsonaro, ficou a sensação que Moro passou do limite, mas ainda é aceitável".

No entanto, uma pesquisa da consultoria Atlas Politico publicada no início desta semana mostrou que o índice de aprovação de Moro caiu 10 pontos percentuais na sequência das notícias, embora pouco mais de 50% dos entrevistados disseram que ainda tinham uma imagem favorável do ministro.

Inicialmente, Bolsonaro demorou para correr em defesa de Moro, embora ele o tenha descrito como um "tesouro nacional". Dada a alta popularidade de Moro entre muitos adeptos de Bolsonaro, que frequentemente exibiam bonecos infláveis de ??"Super-Moro" em suas manifestações, talvez não seja má notícia para o presidente que um rival em potencial em seu gabinete possa perder um pouco de brilho.

"O episódio beneficia Bolsonaro na medida em que Moro teve estatura ainda maior do que o presidente", disse Traumann. "A partir do momento em que sua credibilidade foi afetada, Bolsonaro ganhou".

A pesquisa publicada nesta semana mostrou um aumento na insatisfação com o governo Bolsonaro. Cinqüenta e um por cento dos entrevistados disseram não confiar no presidente, ante 45% em abril. No entanto, o presidente mantém uma sólida base de apoio, com 32% descrevendo seu governo como bom ou ótimo.

Para muitos de seus eleitores, as revelações sobre Moro foram significativas apenas porque reforçaram seu ódio ao Partido dos Trabalhadores.

"As mensagens realmente me fizeram refletir", disse Sibelli Marcolina, advogada do Paraná que pretende participar das manifestações neste fim de semana. "Entretanto o 'livramento' da quadrilha que assaltou o Brasil é mais relevante, então, neste caso os fins justificam os meios."

Mais Economia