PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Coronavírus começa a atrasar revolução global de energia solar

Bloomberg News

27/02/2020 09h05

(Bloomberg) -- O surto de coronavírus ameaça atrasar a revolução global de energia solar, devido à redução de equipamentos essenciais para parques eólicos e solares na China e em outros países.

Com o aumento dos casos da doença na semana passada, fabricantes como a Trina Solar soaram o alarme por atrasos na produção, enquanto incorporadoras como a Manila Electric, das Filipinas, disseram que os projetos seriam suspensos.

"Se o surto de vírus durar além do primeiro trimestre e se espalhar para mais regiões, como está acontecendo atualmente na Coreia e na Itália, isso pode muito bem desacelerar a implantação global de energia renovável", disse Ali Izadi-Najafabadi, chefe de análise na Ásia da BloombergNEF, que rebaixou as perspectivas para instalações este ano.

Embora a China comece a retomar as operações lentamente após um longo período de paralisação para conter a propagação do vírus, muitas fábricas ainda não operam a plena capacidade devido à falta de funcionários e matérias-primas. Fabricantes ecológicos não são poupados. Analistas e associações do setor sinalizam a possibilidade de custos mais altos e um impacto nas operações no exterior, especialmente se o surto continuar.

Por enquanto, o impacto nas empresas verdes permanece administrável e confinado principalmente às áreas na China onde o coronavírus foi encontrado pela primeira vez. A gigante de energia solar LONGi Green Energy Technology disse que não vê impacto significativo em seu painel de vendas e produção e manteve as metas de embarques para o ano inalteradas.

Mesmo assim, os alertas que começam a aparecer são um lembrete da importância da China nas cadeias globais de fornecimento envolvidas na construção de usinas de energia limpa e na redução da poluição que prejudica o clima.

O país é líder global tanto na instalação de novos parques eólicos e solares quanto na produção de painéis fotovoltaicos usados ??em quase todos os lugares. Dos 10 maiores fabricantes de células, nove são fabricantes chineses e um da Coreia do Sul.

Usinas no exterior podem ser atingidas, pois não poderão receber componentes da China devido às restrições de voo, de acordo com a Associação da Indústria Fotovoltaica da China. O grupo pediu ao governo para adiar cortes de tarifas para projetos domésticos - destinados a incentivar usinas solares a competir por conta própria contra combustíveis convencionais, como carvão e gás natural -, previstos para o fim de março.

A BNEF rebaixou as previsões para instalações solares e eólicas na China este ano, mas alertou que a capacidade pode aumentar rapidamente após o controle do surto e disse que as paralisações não serão suficientes para reverter o excesso de oferta.

Analistas esperam agora um máximo de 43 gigawatts de instalações solares este ano em relação aos 45 gigawatts previstos anteriormente. A previsão mais pessimista é de 31 gigawatts em comparação com pelo menos 37 gigawatts estimados anteriormente. A China adicionou cerca de 30 gigawatts no ano passado, de acordo com a associação do setor.

--Com a colaboração de Karoline Kan, Natalia Kniazhevich e Dan Murtaugh.

To contact Bloomberg News staff for this story: Jeremy Hodges em Londres, jhodges17@bloomberg.net;Brian Eckhouse New York, beckhouse@bloomberg.net;Feifei Shen Beijing, fshen11@bloomberg.net