PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Colômbia propõe no FMI plano de resgate à Venezuela de US$ 60 bilhões

19/04/2018 13h46

Washington, 19 abr (EFE).- O ministro da Fazenda da Colômbia, Mauricio Cárdenas, anunciou nesta quinta-feira (19) uma proposta no FMI (Fundo Monetário Internacional) de resgate financeiro à Venezuela de US$ 60 bilhões para a "estabilização macroeconômica", que seriam aplicados quando houver um governo disposto a adotar as "políticas econômicas corretas".

"Ninguém sabe quando vai acontecer uma mudança de governo na Venezuela (atualmente liderada pelo presidente Nicolás Maduro), mas temos que estar preparados para isso", disse em entrevista à Agência Efe Cárdenas, que participa da assembleia de primavera do FMI, em Washington.

Leia também:

O ministro afirmou que a proposta de US$ 60 bilhões é "baseada em um nível mínimo de importações para a Venezuela, que precisa importar para abastecer sua agricultura, sua indústria e seus bens de consumo para garantir uma dieta básica".

Cárdenas indicou que este "plano de resgate" é pensado "para os venezuelanos, (já que) no dia em que a Venezuela adotar as medidas econômicas corretas, será preciso um financiamento adicional para pôr a casa em ordem, e que a economia volte a funcionar".

Venezuela e a hiperinflação

A Venezuela vive uma profunda crise econômica que a fez perder metade do seu PIB (Produto Interno Bruto) desde 2013 e sofre uma hiperinflação que provocou escassez de alimentos e remédios. Além disso, milhares de venezuelanos se refugiaram na Colômbia e no Brasil.

"Este é um problema com consequências fiscais hoje delicadas, mas que podem se transformar muito rapidamente em graves", apontou.

Nesta quarta-feira o Banco Mundial expressou sua "melhor disposição" para aliviar a crise de refugiados no Brasil e na Colômbia que fogem da "preocupante situação" na Venezuela, com "perdas econômicas que foram enormes e tiveram um impacto sério na população".

Por que a inflação no nosso bolso parece maior do que a inflação oficial?

UOL Notícias