PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Macron diz que França "vigiará" Renault após a detenção de Ghosn no Japão

19/11/2018 14h23

Bruxelas, 19 nov (EFE).- O presidente da França, Emmanuel Macron, declarou nesta segunda-feira que seu país se manterá vigilante sobre a estabilidade do grupo Renault, depois da detenção no Japão por supostas irregularidades de Carlos Ghosn, o principal diretor da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

"O Estado, como acionista (da Renault, com 15% das ações), será extremamente vigilante com a estabilidade da aliança e do grupo", disse o presidente francês em entrevista coletiva junto com o primeiro-ministro da Bélgica, Charles Michel.

Além disso, Macron disse que a França se esforçará para dar "a estabilidade necessária ao conjunto dos empregados do grupo", a quem disse que garantirá "todo o apoio".

O presidente francês também se referiu à estreita relação entre França e Bélgica, países que "estão juntos para defender um multilateralismo forte".

Michel, por sua vez, ressaltou o vínculo entre Paris e Bruxelas e lembrou dos atentados terroristas ocorridos nos dois países há alguns anos.