PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Com "progressos", EUA e China decidem prolongar negociações por dois dias

22/02/2019 19h11

Washington, 22 fev (EFE).- Estados Unidos e China decidiram nesta sexta-feira prolongar suas conversas comerciais por mais dois dias em Washington, enquanto o presidente americano, Donald Trump, afirmou que há "uma muito boa oportunidade" de fechar um acordo.

"Acredito que fizemos uma grande quantidade de progressos. Há uma muito boa oportunidade de fechar o acordo comercial", disse Trump aos jornalistas no início da sua reunião na Casa Branca com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He.

Por sua parte, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, também presente no encontro, anunciou que a delegação chinesa ficaria em Washington por mais dois dias para continuar negociando.

A rodada de negociação comercial deveria ter concluído originalmente nesta sexta-feira.

Além disso, Trump ressaltou que está disposto a atrasar o prazo de 1º de março para aumentar de 10% para 25% as tarifas impostas a produtos chineses avaliados em US$ 200 bilhões.

O presidente americano voltou a afirmar que se reunirá "em um futuro não muito distante" com seu homólogo chinês, Xi Jinping, para afinar os detalhes do acordo, um encontro que disse que poderia acontecer no próximo mês de março.

"Em última instância, acredito que as grandes decisões e inclusive algumas das pequenas serão tomadas pelo presidente Xi e eu mesmo", ressaltou Trump.

Xi e Trump estabeleceram em dezembro uma trégua de 90 dias, que termina no dia 1º de março, após a reunião bilateral que tiveram às margens da cúpula do G20 realizada em Buenos Aires.

A guerra comercial entre as duas maiores economias mundiais, suscitada pelo agressivo protecionismo do presidente americano, gerou inquietação e volatilidade nos mercados financeiros internacionais.

Tanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) como o Banco Mundial (BM) rebaixaram suas previsões de crescimento econômico global como consequência das tensões comerciais entre Washington e Pequim. EFE