PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Washington e Nova York são as cidades mais gentrificadas dos EUA desde 2000

19/03/2019 15h39

Washington, 19 mar (EFE).- Washington e Nova York são as cidades dos Estados Unidos com maior gentrificação, um fenômeno que expulsa as pessoas com menos renda de bairros que atraem novos moradores ansiosos por boas oportunidades de emprego quando a economia local caminha bem.

Segundo um estudo publicado nesta terça-feira pela Coalizão Nacional de Reinvestimento Comunitário (NCRC, em inglês), sete cidades dos EUA concentraram metade dos processos de gentrificação desde o ano 2000 até 2013: Nova York, Los Angeles, Washington, Filadélfia, Baltimore, San Diego e Chicago.

Todas estas cidades possuem economias vibrantes que, ao mesmo tempo que melhoraram a vida de muitos trabalhadores, obrigaram mais de 130.000 pessoas a deixar seus bairros pela incapacidade de arcar com os novos custos de vida.

Os moradores latinos e afro-americanos foram os principais afetados, já que mais de 110.000 afro-americanos deixaram as áreas que habitavam tradicionalmente no país e quase 25.000 hispânicos passaram pela mesma experiência, segundo o relatório.

Washington foi a cidade onde mais moradores enfrentaram processos de gentrificação em relação à sua população total. Pelo menos 20.000 residentes afro-americanos da capital foram embora de seus bairros com a chegada de novos moradores com melhores empregos e rendas.

Dessa forma, 40% dos bairros de Washington foram gentrificados, situando esta cidade como a líder no número de áreas de baixas rendas transformadas graças ao seu altíssimo crescimento econômico.

Outra grande região metropolitana, Nova York, a mais populosa do país, foi a cidade na qual mais pessoas deixaram seus bairros pelo mesmo motivo.

Apesar de este fenômeno ter se concentrado em cidades grandes e dinâmicas, também foi registrado em lugares menores, especialmente nas áreas mais próximas às zonas comerciais.

Por exemplo, em Portland (Oregon), 13% da comunidade afro-americana foi deslocada dos seus bairros ao longo da década analisada.

No entanto, a dinâmica geral faz com que, como denunciou esta organização, "apenas um punhado das maiores cidades do país" receba investimentos em infraestruturas e acolha moradores com altos rendimentos.

"Enquanto isso, outras regiões dos EUA esmorecem", adverte o relatório. EFE