PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Barril do Texas fecha em forte baixa de 4,9% após declarações de Trump

08/01/2020 18h57

Nova York, 8 jan (EFE).- O barril do Petróleo Intermediário do Texas (WTI) fechou em forte baixa de 4,9% nesta quarta-feira, cotado a US$ 59,61 o barril, após um pronunciamento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que sinalizou uma diminuição das tensões com o Irã após um ataque contra uma base militar no Iraque.

Ao final das operações da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros do WTI para entrega em fevereiro caíram US$ 3,09 em relação ao valor do pregão de terça-feira.

O tom mais ameno de Trump fez o barril de referência nos Texas fechar o dia abaixo dos US$ 60 pela primeira vez desde dezembro. As declarações do presidente foram interpretadas pelo mercado com um indicativo que as tensões vão se reduzir no Oriente Médio.

Na última sexta-feira, os Estados Unidos realizaram um ataque no Iraque para matar o general iraniano Qasem Soleimani, comandante da Força Quds, a divisão de elite da Guarda Revolucionária do Irã. Ontem, o Irã respondeu e lançou 12 mísseis balísticos a duas bases militares no Iraque onde trabalham soldados americanos. Segundo Trump, não houve vítimas nem danos materiais consideráveis.

Depois da ação, o ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohamad Javad Zarif, disse que o Irã não tinha a intenção de ampliar o conflito no futuro e que apenas se defendeu de maneira proporcional, seguindo preceitos previstos pelas Nações Unidas.

A hipótese de um conflito ligou um sinal de alerta no mercado financeiro, que temia uma interrupção no abastecimento de petróleo produzido no Oriente Médio. As cotações do barril dispararam, mas caíram depois de Trump parecer tranquilizar a situação com um discurso avaliado como moderado.

Nesse contexto, os contratos futuros de gasolina com vencimento em fevereiro caíram US$ 0,037, a US$ 1,65 por galão, já os de gás natural, com vencimento no mesmo mês, recuaram quase US$ 0,02, para US$ 2,15 por cada mil pés cúbicos. EFE