PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

ONU pede transformações no mundo trabalho depois da pandemia

19/06/2020 20h54

Nações Unidas, 19 (EFE).- O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou nesta sexta-feira que "o mundo do trabalho não pode e nem deve ser igual ao que era antes da crise", e pediu medidas coordenadas em nível mundial para criar "empregos decentes para o mundo todo".

"A pandemia evidenciou enormes deficiências, fragilidades e fissuras. Fala-se muito da necessidade de um 'novo normal' depois da crise. Mas não podemos nos esquecer de que, antes da Covid-19, o mundo estava longe de ser normal", analisou.

Guterres citou como situações fora do normal "o aumento das desigualdades, a sistêmica discriminação de gênero, a falta de oportunidades para a juventude, a estagnação dos salários e a mudança climática descontrolada".

Para o chefe das Nações Unidas, "se forem adotadas medidas inteligentes e oportunas em todos os níveis", o mundo pode "sair fortalecido da crise, com melhores exemplos e um futuro melhor, mais equitativo e mais ecológico".

A ONU ressaltou três prioridades: proteger de imediato trabalhadores e empresas para evitar falências e perda de emprego, garantir que os locais de trabalho são seguros conforme o confinamento é aliviado e, por último, colocar em prática uma recuperação "inclusiva, ecológica e sustentável".

De acordo com Guterres, esta recuperação precisa estar "focada no ser humano" e aproveitar as novas tecnologias para criar empregos decentes para todo o mundo", utilizando como base as formas criativas com as quais empresas e funcionários se adaptaram à pandemia.

"Milhões de pessoas passaram a noite e a manhã trabalhando através da internet, e em muitos casos os resultados foram surpreendentes", exemplificou.

As medidas políticas, no entanto, devem levar em conta a realidade de que foram perdidos milhões de empregos, com grande impacto nos trabalhadores informais. Guterres lançou uma clara advertência aos governantes, dado o risco de a pandemia multiplicar a desigualdade.

"Esta crise no mundo do trabalho está alimentando o fogo do descontentamento e da angústia. O desemprego e a perda da renda em grande escala por causa da Covid-19 estão minando a sociedade e desestabilizando países e regiões, seja no ponto de vista social, político ou econômico", frisou.

Economia