PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

República Dominicana passará a pedir teste negativo a viajantes do Brasil

29/05/2021 03h01

Santo Domingo, 28 mai (EFE).- A República Dominicana começará a pedir, a partir da próxima segunda-feira, um teste PCR ou de antígeno negativo para passageiros provenientes de Brasil, Reino Unido e África do Sul, segundo informou nesta sexta-feira o Ministério do Turismo do país.

Os resultados dos testes devem ser obtidos até 72 horas antes do voo, detalhou o Ministro do Turismo dominicano, David Collado.

Esta é a primeira vez que a República Dominicana solicita testes de coronavírus para viajantes do exterior, em uma medida que visa impedir a entrada no país de novas variantes.

Até então, os funcionários de saúde dominicanos estavam realizando apenas testes aleatórios em passageiros, que registram uma taxa média de resultados positivos de cerca de 1%, segundo Collado.

A República Dominicana está enfrentando atualmente a terceira onda de contágios, depois de completar quatro semanas com uma tendência ascendente nas estatísticas de infecções e hospitalizações.

O novo surto está concentrado até o momento na área metropolitana de Santo Domingo e na província vizinha de San Cristobal.

Nas últimas 24 horas, foram comunicados no país 1.254 novos casos de Covid-19 e três mortes causadas pela doença, elevando o número total de casos confirmados desde o início da pandemia para 289.288 e o total de óbitos para 3.623.

Cerca de 3,1 milhões de pessoas, o equivalente a 39,8% da população adulta, receberam a primeira dose da vacina, enquanto um milhão destas já recebeu também a segunda dose, o que significa que 12,8% da população adulta do país está totalmente imunizada.

As medidas anunciadas nesta sexta-feira coincidem com um momento de recuperação do turismo, o setor mais importante para a economia do país.

A República Dominicana recebeu cerca de 350.000 turistas neste mês, o que representa um crescimento de entre 9% e 10% em relação a abril, que até agora foi o melhor mês desde o início da pandemia, segundo os números divulgados na sexta-feira pelo Ministro do Turismo.

Collado disse que as reservas turísticas dos Estados Unidos para o mês de julho são "praticamente históricas" e são 10% mais altas do que em julho de 2019, "quando não havia pandemia".