Bolsas

Câmbio

Planalto alega que votações no Congresso levaram Temer a cancelar viagem à Ásia

Renan Truffi

Brasília

O presidente Michel Temer decidiu cancelar a viagem que faria para a Ásia, entre os dias 5 e 14 de maio. O motivo oficial é o longo tempo que ele permaneceria fora do País e as consequências que isso traria para projetos importantes que o governo precisa aprovar na próxima sessão do Congresso, marcada para o dia 2.

Caso Temer deixasse o País, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), também teriam que sair do Brasil para não ficarem inelegíveis, já que ambos planejam disputar a eleição deste ano. E isso poderia afetar as negociações no Parlamento.

"Considerando o longo tempo de viagem, a importância de votações e de decisões a serem tomadas nos próximos dias e o fato de que o seu afastamento traria a necessidade de que também se afastassem do país os presidentes da Câmara e do Senado Federal, por serem candidatos na próxima eleição, o presidente Temer decidiu não mais realizar a viagem que faria a partir do dia 05/05 ao Sudeste Asiático", informou o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, à reportagem.

A principal preocupação do Palácio do Planalto seria, segundo interlocutores, a apreciação de um projeto de lei que abre crédito suplementar no valor de R$ 1,164 bilhão para reforço da lei orçamentária. Os recursos extras têm a função de cobrir dívidas não honradas pela Venezuela e Moçambique em empréstimos pelo BNDES e bancos internacionais que têm como avalista o Fundo de Garantia à Exportação (FGE), vinculado ao Ministério da Fazenda.

O presidente já havia encurtado o roteiro de seus compromissos no Sudeste Asiático na semana passada, mas acabou voltando atrás mais uma vez e optou por cancelar toda a viagem - em janeiro, o presidente também desistiu de compromissos na mesma região por recomendação médica.

Ainda assim, os assuntos políticos não seriam o único tormento a afetar o presidente da República. Uma das filhas de Temer, Maristela Temer, foi intimada a depor no próximo dia 2, em razão de investigação da Polícia Federal que sugere que o presidente tenha ocultado bens "lavando" dinheiro de propina por meio de reformas em imóveis de parentes e transações imobiliárias em nome de terceiros.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos