PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Tempo para reformas não é que o governo deseja, mas é o viável, diz secretário

3.jan.2018 - O secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, Carlos da Costa - Tânia Rêgo/Agência Brasil
3.jan.2018 - O secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, Carlos da Costa Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil

André Ítalo Rocha

Em São Paulo

28/11/2019 12h54

O secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, Carlos da Costa, reconheceu hoje que o tempo gasto para conduzir reformas, como a tributária e a administrativa, não é o que o governo deseja, mas é o viável. Para ele, os poderes Executivo e Legislativo estão "trabalhando muito", porém projetos como esses demandam um "certo amadurecimento".

"São tantas reformas que nas quais precisamos trabalhar que muitas vezes não há tempo hábil", disse ele. "Só ontem eu estava trabalhando na lei do saneamento, na lei de concessões, na lei de informática... Isso tudo só na minha área. Imagina o governo como um todo, imagina o Congresso, que é um grande parceiro nosso. Então, não é o timing que desejaríamos, mas é o viável", acrescentou.

Segundo Costa, o governo federal e o Congresso têm trabalhado "muito" para que as reformas passem. "Queremos a tributária agora, a administrativa agora, o novo marco de concessões agora, mas (são projetos) que precisam certo amadurecimento", disse.

As declarações do secretário foram dadas durante evento da FecomercioSP sobre o Doing Business, ranking que classifica os melhores países para ambiente de negócios.

O Brasil está na 124ª posição. O governo tem meta que o País chegue aos 50 primeiros até 2022, como reflexo de medidas favoráveis aos negócios.

Para o secretário, o atraso na reforma administrativa, que busca tornar o Estado mais eficiente, embora tenha impacto no ambiente de negócios, não afeta a meta do governo de chegar aos 50 primeiros até 2022. "Nossa meta continua sendo até 2022. Não gosto de falar de metas intermediárias, porque o timing político das coisas varia", disse.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.

Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.

Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas