PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Caixa tem lucro 7,5% menor no 1º tri em relação ao mesmo período de 2019

Everson Bressan/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Imagem: Everson Bressan/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Aline Bronzati

São Paulo

21/05/2020 07h08

A Caixa Econômica Federal anunciou na manhã de hoje lucro líquido recorrente de R$ 3 bilhões no primeiro trimestre do ano, cifra 7,5% inferior em relação ao mesmo intervalo de 2019. Na comparação com os três meses anteriores, porém, houve um crescimento de 21,5%.

Com forte atuação em ações de combate à crise deflagrada pelo novo coronavírus, a Caixa conseguiu reverter a trajetória da sua carteira de crédito, que apresentava queda. O saldo de empréstimos do banco teve alta de 2,0% no primeiro trimestre ante um ano, totalizando R$ 699,6 bilhões. No trimestre, o aumento foi de 0,9%.

O banco público informa que disponibilizou mais de R$ 154 bilhões para apoiar a economia em meio à pandemia. Do total, R$ 60 bilhões foram para o capital de giro de micro, pequenas e médias empresas, R$ 43 bilhões para o crédito imobiliário; R$ 40 bilhões para a compra de carteiras, R$ 6 bilhões para o crédito agrícola e R$ 5 bilhões para crédito às Santas Casas.

O resultado bruto da intermediação financeira da Caixa atingiu R$ 8,6 bilhões no primeiro trimestre. Aqui, o destaque, conforme a Caixa, foi a redução de 12,1% no custo de captação em relação ao mesmo período do ano anterior, refletindo o comportamento da taxa básica de juros e a estratégia de gestão das fontes de recursos.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês) do banco público foi de 14,40% ao fim de março, com crescimento de 2,0 pontos porcentual em um ano.

Já o seu índice de Basileia, que mede quanto um banco pode emprestar sem comprometer o seu capital, atingiu 18,7% ao fim de março ante 19,0% ao fim de dezembro, recuo de 0,3 ponto porcentual. O índice de capital principal, ou seja, próprio dos acionistas, totalizou 12,6%, enquanto o de nível I, aquele de melhor qualidade, ficou em 12,9%. Ambos mantiveram-se acima do mínimo regulatório de 8,0% e 9,5%, respectivamente.

Economia