PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Setor bancário da zona do euro conseguirá suportar choque do coronavírus, diz BCE

André Marinho

São Paulo

27/10/2020 12h31

O presidente do Conselho de Supervisão Bancária do Banco Central Europeu (BCE), Andrea Enria, afirmou nesta terça-feira, 27, que os bancos da zona do euro devem conseguir suportar o impacto do coronavírus, caso se confirme a contração de 8,7% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano. "Num cenário menos provável, mas ainda plausível, com uma recessão mais acentuada seguida de uma recuperação mais lenta, a deterioração da qualidade dos ativos e o esgotamento do capital poderiam ser significativamente mais materiais", ponderou.

Segundo o dirigente, o setor ainda não registrou aumento notável no volume de empréstimos de baixa qualidade. "No entanto, esperamos um aumento nas exposições à inadimplências, especialmente quando as medidas de apoio público, como moratórias de pagamento, expirarem", explicou.

Enria ressaltou que as instituições financeiras entraram na pandemia com maior capitalização e liquidez do que na crise anterior. Contudo, para ele, alguns problemas estruturais seguem sem resolução, entre eles a baixa lucratividade e baixa eficiência de custos. "A consolidação bancária pode ser parte da solução, pois pode concentrar esforços para melhorar a eficiência de custos e desenvolver modelos de negócios mais focados e sustentáveis", destacou.

O dirigente comentou ainda os riscos causados pelas mudanças climáticas e a transição para uma economia verde. "É muito provável que esses riscos também aumentem com o tempo. O desafio agora será revisar as práticas tradicionais de gestão de risco dos bancos e garantir que possam ser adaptadas para gerenciar a exposição ao risco climático", argumentou.

Brexit

Sobre o Brexit, o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, Enria disse que o setor deve estar preparado para todos os cenários, inclusive aquele em que a separação se oficialize em 1º de janeiro de 2021 sem um acordo comercial entre as partes. "Muitos bancos fizeram progressos consideráveis e alguns estão no bom caminho para atingir seus modelos operacionais pós-Brexit. No entanto, alguns ainda precisam intensificar seus esforços", defendeu.