IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Young Lions vira 'porta' para jovens criativos na alta chefia

Divulgação/Cannes Lions - Divulgação/ Cannes Lions
Divulgação/Cannes Lions Imagem: Divulgação/ Cannes Lions

São Paulo

03/04/2023 08h35

Participar do Festival Internacional de Criatividade de Cannes Lions, do qual o jornal O Estado de S. Paulo é o representante oficial, pode representar uma guinada na carreira de jovens publicitários em todo o mundo. Uma prova disso são os incontáveis casos de ex-participantes do Young Lions Brasil, que anos depois de participar do programa, ocupam os cargos mais altos nas principais agências do País e no mundo.

Este ano, o jornal O Estado de S. Paulo será o responsável por realizar o concurso "Young Lions Brazil". Os interessados poderão se inscrever em duplas para as duas categorias disponíveis: Digital e Film. Os participantes irão receber um briefing para o qual devem apresentar uma solução no prazo do regulamento. O processo é realizado online e 100% anônimo para os jurados.

A edição terá o patrocínio de nomes como Ambev e do Burger King. Para o diretor de conteúdo da Ambev, o projeto é uma forma de abrir as portas dentro do festival de criatividade e conhecer novos talentos.

Já Juliana Cury, executiva de marketing da ZAMP - dona do Burger King no Brasil - diz que o objetivo em participar do Young Lions Brazil para a marca é trazer novos desafios para os participantes.

As duplas vencedoras da etapa nacional são inscritas no Young Lions Competition, realizado em Cannes durante o Cannes Lions Festival, de 19 a 23 de junho de 2023.

Os vencedores da fase internacional recebem uma medalha e um registro de delegado para participar da edição 2024 do Festival, além de hospedagem.

Futuros chefes

Hoje vice-presidente de criação na DM9, Laura Esteves tinha acabado de chegar em São Paulo quando foi, aos 21 anos, selecionada para participar do Young Lions em 2000.

A executiva conta que os resultados da sua participação no programa foram instantâneos, isso porque logo após o festival de Cannes Lions, ela e os outros jovens publicitários foram todos contratados para fazer parte do time de criativos da BETC, atual BETC Havas. "O Ehr Ray contratou todos os ex-Young Lions da minha edição, porque ele queria ter na equipe todos aqueles jovens talentos. Esse programa muda a carreira de quem está começando no mercado", afirma.

Quem também viu a carreira decolar depois do programa para jovens criativos foi o vice-presidente de criação da BBDO nos EUA e Canadá, Luís Sanches. Em 1996, aos 22 anos, estreou em Cannes como um membro do Young Lions. De lá para cá, ele já retornou diversas vezes ao festival e se consolidou como um dos brasileiros mais premiados no festival de criatividade.

"Foi um momento especial para mim, porque era meu primeiro ano na agência, minha primeira vez em Cannes, já como Young Lions, e nós ainda ganhamos seis leões, dos quais três eram meus", relembra Sanches.

Conselhos

Para André Kassu, diretor de criação da CP+B, participar do Young Lions ajuda não só na formação dos jovens, mas também a se conectar com grandes nomes do setor, sejam eles do Brasil ou do mundo. "Você tem oportunidade de ver muitas palestras, peças, então, além de expandir o olhar criativo, você também conhece muita gente na viagem", lembra o executivo, que participou do programa em 1998. "Aproveite todas as oportunidades, seja cara de pau, vença sua timidez por achar que ainda é muito jovem e fale com todas as pessoas que você tem vontade de conhecer", recomenda Kassu aos futuros selecionados.

Foi em 2007 que Rafael Pitanguy, vice-presidente global da VLMY&R, chegou a Cannes pela primeira vez como Young Lions. De lá para cá, ele voltou à Riviera Francesa algumas vezes, mas ter sido selecionado como uma das principais apostas da publicidade segue no topo das suas memórias. "Eu já voltei como jurado e como vencedor em outras, mas nada se compara à alegria e a realização que eu senti como Young Lions", afirma. "Ter participado desse programa foi um momento importante de transição e transformação que marcou toda a minha trajetória pessoal, criativa e, porque não, existencial", acrescenta.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.