Anbima estima corte de 0,25pp da Selic e taxa a 12% no fim do ano

O grupo consultivo macroeconômico da Anbima, formado por 25 economistas das instituições financeiras e do mercado de capitais associadas à entidade, espera que o Banco Central (BC) abra nesta quarta-feira, 2, o ciclo de afrouxamento monetário com um corte de 0,25 ponto porcentual da Selic.

Na sequência, a Selic deve ter sucessivas reduções de 0,50 ponto porcentual até o fim do ano, mantendo esse ritmo de corte até julho de 2024. Com isso, a taxa, na mediana das projeções de economistas da Anbima, deve cair para 12% até o fim deste ano e encerrar o ciclo em 9,50%, nível no qual deve permanecer estacionado até o fim do ano que vem.

A avaliação é de que a diminuição das pressões inflacionárias nos últimos dois meses, com os efeitos do aperto monetário na atividade e o possível fim do ciclo de aumento dos juros nos Estados Unidos, permite ao BC iniciar o corte dos juros amanhã e aumentar a intensidade posteriormente. O grupo de economistas da Anbima se reúne a cada 45 dias, sempre na semana que antecede a reunião do Copom, para atualizar suas previsões.

Na reunião anterior, realizada em junho, o grupo previa a Selic a 12,25% no fim deste ano e em 9,75% em dezembro de 2024. O prognóstico para a inflação deste ano medida pelo IPCA foi reduzido de 5,1% para 4,8%. Já em relação ao IPCA do ano que vem, as projeções apontam agora a uma inflação de 3,8%, menos do que os 3,95% traçados na reunião anterior.

A melhora nas expectativas de inflação decorre, entre outros motivos, da apreciação do real, com as previsões ao câmbio ao fim deste ano recuando de R$ 5,09 para R$ 4,98, e de R$ 5,20 para 5,05 nas projeções para o ano que vem. Já sobre a atividade econômica, o grupo manteve a previsão ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano em 2,25%, melhorando marginalmente, de 1,15% para 1,20%, a projeção para a atividade em 2024.