Custo em mão de obra desacelera, mas ainda pressiona inflação da construção no IGP-10, diz FGV

O custo em mão de obra na construção civil avançou 0,49% no Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) de setembro. A alta é menor que a registrada em agosto (0,64%), mas ainda pressiona o índice, um dos que compõem o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10), divulgado nesta segunda-feira, 18, pela Fundação Getúlio Vargas.

Desagregados, materiais e equipamentos de construção tiveram uma deflação mais amena na medição de setembro, caindo apenas 0,07% ante um recuo de 0,26% em agosto. O movimento desse item foi o diferencial para a aceleração do IGP-10 deste mês, que foi de 0,18%, ante 0,17% no mês anterior. No ano, o INCC tem alta acumulada de 2,48% e, em 12 meses, de 3,04%.

Já os serviços isoladamente, informou a FGV, também viram os preços desacelerarem na medição de setembro, variando de uma alta nos preços de 0,75% em agosto para alta de 0,28% este mês.

Quando agregados, mostra a tabela do IGP-10, o grupo Materiais, Equipamentos e Serviços viu os preços recuarem 0,03% em setembro, ante recuo de 0,16% na medição de agosto.