Costa Filho: 'Voa Brasil' pode ser ampliado para estudantes e ganhar versão internacional

O ministro dos Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, disse nesta quarta-feira, 27, que o programa Voa Brasil, prometido pela antiga gestão da pasta, será mantido e, possivelmente, ampliado para estudantes de baixa renda, caso dos universitários beneficiários do Programa Universidade para Todos (ProUni).

Segundo o ministro, uma outra possibilidade em análise é a criação de uma versão internacional do programa, mirando o mesmo público estudantil da ampliação. O Voa Brasil foi criado, originalmente, para estimular viagens aéreas de aposentados e pensionistas com bilhetes na casa dos R$ 200.

"A gente está trabalhando no Voa Brasil, tem conversado com o presidente Lula e estamos buscando as companhias aéreas para avaliar um redesenho dele. A gente espera, até o fim do ano, lançar esse programa. Estamos avaliando a possibilidade de criar o Voa Brasil internacional e discutindo também a situação das milhas no Brasil".

"No primeiro momento, (o programa) foi pensado para aposentados e pensionistas, o que será mantido, mas, dependendo, se possível, podemos acrescentar alunos do Prouni, que muitas vezes querem fazer um concurso público em outros estados e não têm como pagar a passagem", detalhou.

Na versão internacional cogitada, o foco também seria o público universitário de baixa renda, que se lança a cursos no exterior. "O aluno de escola pública que quer fazer um curso em Cambridge, em Harvard, não tem condições de fazer. Essa pode ser uma proposta que venha a surgir nesse programa. Estamos trabalhando com as companhias aéreas para fazer um belo programa", disse.

O ministro definiu o Voa Brasil, ao qual também se referiu como "Viaja Mais Brasil", como "fundamental" para alavancar o turismo dentro do País, e disse que o programa será construído "coletivamente" porque planeja envolver o segmento do turismo e as empresas de aviação em sua articulação.

Deixe seu comentário

Só para assinantes