Parcelo Sim ganha adesão de mais sete entidades e chega a 18 participantes

Lançado na última terça-feira, 21, por associações dos setores de varejo e de serviços, o movimento Parcelo Sim ganhou a adesão de mais sete entidades setoriais, elevando o total a 18 participantes. O movimento surgiu para defender a manutenção do atual modelo do parcelamento de compras no cartão sem juros, em meio aos debates sobre possíveis mudanças no produto.

As novas adesões são da Acelera Varejo; da Associação Brasileira de Tecnologia para o Comércio e Serviço (Afrac); da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco); da Associação Brasileira de Varejo em Shopping (ABVS); da Aloshop Pernambuco; da Câmara de Dirigentes Lojistas do Recife; e do Sindicato dos Lojistas do Comércio de Bens e Serviço do Recife (Sindilojas Recife).

"O nosso setor de varejo de material de construção tem uma dependência muito forte na venda, em função dos valores percebidos e da capacidade do cliente, que utiliza essa modalidade de compra para fazer uma obra ou reparação em seu imóvel", diz em nota o presidente da Anamaco, Geraldo Defalco.

O presidente da Afrac, Paulo Eduardo Guimarães, afirma que o setor de cartões tem hoje tecnologias para manter a estabilidade do crédito. "A inibição regulatória desta modalidade seria uma interferência no mercado com resultados imprevisíveis", afirma.

"Qualquer tentativa de mexer no parcelado será um desastre para a economia. Temos que cerrar fileiras e defender esse direito. Por isso, decidimos nos unir à campanha Parcelo Sim! Vamos mobilizar a sociedade", diz Braulio Bacchi, presidente da ABVS.

O varejo, as maquininhas independentes e fintechs são contra impor restrições ao parcelamento sem juros de compras no cartão de crédito. Boa parte dos grandes bancos e alguns bancos digitais argumentam, porém, que o mecanismo é financiado pelo crédito rotativo, que tem juros que, anualizados, ultrapassam os 400% ao ano.

Os setores têm discutido o tema diante da busca do Banco Central (BC), do mercado e do governo pela redução dos juros do rotativo. O BC tem intermediado a discussão e chegou a propor um limite de 12 parcelas para o instrumento, que o varejo não aceita, e que a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e boa parte dos associados consideram insuficiente.

Se não houver uma solução de consenso até o final do ano, passa a valer um teto de 100% do valor da dívida original para o rotativo, aprovado pelo Congresso em outubro.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes