Parceiro de Warren Buffett e nº 2 da Berkshire Hathaway, Charlie Munger morre aos 99 anos

Nenhum parceiro de negócios jamais desempenhou um papel secundário melhor do que Charlie Munger. Amigo mais próximo e conselheiro de Warren Buffett durante seis décadas, o bilionário e vice-presidente da Berkshire Hathaway morreu, nesta terça-feira, aos 99 anos.

Em público, especialmente diante das dezenas de milhares de participantes nas reuniões anuais da Berkshire, Munger cedia espaço a Buffett, deixando o presidente da empresa monopolizar o microfone e os holofotes. Munger rotineiramente fazia a multidão rir, resmungando: "Não tenho nada a acrescentar".

Em particular, era Buffett quem frequentemente cedia a Munger. Em 1971, Munger o convenceu a comprar a See's Candy Shops por um preço equivalente a três vezes o patrimônio líquido das lojas de chocolates - um "preço extravagante", lembrou Buffett mais tarde, muito mais alto do que ele estava acostumado a pagar pelas empresas.

A See's geraria cerca de US$ 2 bilhões em lucros acumulados para a Berkshire nas próximas décadas. Como escreveu Buffett em 2015: "Esta compra pôs fim à minha busca por investimentos 'de bituca de charuto' - empresas medíocres a preços 'de pechincha' - e colocou-me na busca de negócios esplêndidos que vendem a preços razoáveis". Ele acrescentou: "Charlie vinha recomendando esse curso há alguns anos, mas eu aprendia devagar".

Buffett apelidou Munger de "abominável ninguém" pela sua ferocidade em rejeitar potenciais investimentos, incluindo alguns que Buffett poderia ter feito de outra forma. Mas Munger, que era fascinado por engenharia e tecnologia, também levou Buffett, com fobia tecnológica, a grandes apostas na BYD, um fabricante chinês de baterias e veículos eléctricos, e na Iscar, um fabricante israelenses de peças para carros.

Munger foi um investidor brilhante por mérito próprio. Começou a gerir parcerias de investimento em 1962. Desde então até 1969, o índice S&P 500 ganhou uma média anual de 5,6%. As parcerias de Buffett retornaram em média 24,3% ao ano. O de Munger teve um desempenho ainda melhor, com ganhos médios anualizados de 24,4%.

Enquanto transformava a Berkshire numa holding de seguros e outras empresas, Buffett continuou à procura de negócios medíocres a preços de pechincha. Em vez disso, Munger concentrou-se em grandes empresas a preços aceitáveis, considerando que a sua capacidade de produzir dinheiro no futuro mais do que compensaria o pagamento antecipado de um preço premium.

Ao longo de anos de discussão, Munger convenceu seu parceiro a mudar. "Fui tremendamente moldado por Charlie", disse Buffett em 1988. "Cara, se eu tivesse ouvido apenas Ben Graham, algum dia seria muito mais pobre."

Em 2015, Buffett escreveu que Munger lhe ensinou: "Esqueça o que você sabe sobre comprar negócios justos a preços maravilhosos; em vez disso, compre negócios maravilhosos a preços justos".

A Berkshire "foi construída de acordo com o modelo de Charlie", acrescentou Buffett.

Charles Thomas Munger nasceu em Omaha, Nebraska, no dia de Ano Novo de 1924. Seu pai, Alfred, era advogado; sua mãe, Florence, era dona de casa e leitora ávida.

Munger formou-se em matemática na Universidade de Michigan e depois deixou a escola para se alistar no Corpo Aéreo do Exército dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial.

Após a guerra, Munger convenceu um reitor da Faculdade de Direito de Harvard a admiti-lo sem diploma universitário. Ele se formou magna cum laude.

Os dois homens que dirigiriam a Berkshire Hathaway se conheceram em 1959, quando Munger, que já havia se mudado para Los Angeles, foi a um jantar em sua cidade natal, ao qual Buffett também compareceu. Eles se deram bem instantaneamente e em pouco tempo se tornaram inseparáveis, muitas vezes conversando por telefone várias vezes ao dia.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes