Educação sobe 5,07% em fevereiro, impacto de 0,30 p.p. no IPCA-15, diz IBGE

Os reajustes sazonais de mensalidades escolares fizeram os gastos das famílias brasileiras com Educação passarem de uma elevação de 0,39% em janeiro para uma alta de 5,07% em fevereiro, uma contribuição positiva de 0,30 ponto porcentual para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) deste mês, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira. A taxa do IPCA-15 foi de 0,78% em fevereiro.

O movimento foi impulsionado pelo aumento de 6,13% nos cursos regulares, devido aos reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo. Os maiores avanços ocorreram nos subitens ensino médio (8,58%), ensino fundamental (8,23%), pré-escola (8,14%) e creche (5,91%). Houve elevação também nos gastos com curso técnico (6,01%), ensino superior (3,74%) e pós-graduação (2,81%).

Os reajustes nas mensalidades do ensino fundamental (impacto de 0,13 ponto porcentual) e de ensino superior (0,06 ponto porcentual) lideram o ranking de pressões individuais sobre a inflação apurada pelo IPCA-15 em fevereiro.

Saúde e cuidados pessoais

Os gastos das famílias brasileiras com Saúde e cuidados pessoais passaram de uma elevação de 0,56% em janeiro para uma alta de 0,76% em fevereiro, uma contribuição positiva de 0,10 ponto porcentual para o IPCA-15 deste mês.

O movimento foi impulsionado pelos aumentos no plano de saúde (0,77%), produtos farmacêuticos (0,61%) e itens de higiene pessoal (0,70%). Houve destaque para as altas de preços de produto para pele (1,67%) e perfume (1,34%), apontou o IBGE.