Temor com juro dos EUA impede Ibovespa de subir após dados acima do esperado na China

O Ibovespa abandonou nesta segunda-feira a alta vista mais cedo na volta do feriado de Páscoa no Brasil e nos Estados Unidos, que deixou os mercados fechados na sexta-feira. As bolsas europeias ainda não reabriram.

Em Nova York, as bolsas têm sinais distintos, com apenas o Dow Jones caindo em torno de 0,30%. Ao mesmo tempo, o avanço dos rendimentos dos os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA se espelha nos juros futuros, em meio a dúvidas sobre a política monetária americana, após o PCE, na sexta, e antes que a agenda de indicadores da semana ganhe força.

"Os mercados esperam novos dados americanos para confirmar se a economia está realmente aquecida e em que nível", descreve Gustavo Corradi Matos, CIO da Medici Asset.

Hoje cedo foi divulgado o índice de atividade industrial dos Estados Unidos elaborado pelo Instituto para Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês), que subiu a 50,3 em março, de 47,8 em fevereiro. Ao longo da semana, sairão outros indicadores americanos que poderão ajudar os mercados nas apostas sobre quando o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) começará a cortar os juros.

"Há dados fortes corroborando que os Estados Unidos ainda estão num ritmo bem forte. Acredito que isso tende a impactar a curva de juros", diz Matos, da Medici Asset. Neste sentido, explica que isso também pode influenciar as estimativas em relação à Selic de fim de ciclo, que pode ficar maior, dada a possibilidade de postergação do início do recuo de juros nos EUA.

Já sinais positivos da China, que apresentou dados de manufaturas medidos por PMIs acima do esperado em março, estimula alta das ações do setor metálico no Ibovespa. O minério de ferro em Dalian subiu 2,61%.

As ações da Vale avançam em torno de 1,00% nesta manhã, enquanto as da Petrobrás cedem entre 0,35% (PN) e -0,52% (ON) após avançarem mais cedo. O petróleo, por sua vez, mirava alta no exterior.

Os investidores avaliam seguem cautelosos em relação à decisão da Petrobras, após informar o balanço do quarto trimestre no mês passado, de que não vai distribuir dividendos extraordinários. Hoje, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, disse, à GloboNews, "que não podemos admitir a Petrobras com objetivo de lucros para distribuir a acionistas".

Na quinta, o Índice Bovespa Ibovespa fechou em alta de 0,33%, aos 128.106,10 pontos, mas cedeu 4,53% no primeiro trimestre.

"Os mercados começam o segundo trimestre aparentemente mais mornos", descreve em comentário Helder Wakabayashi, analista da Toro Investimentos. No Brasil, ressaltando que a alta do minério de ferro após PMIs acima do esperado na China é um gatilho positivo para as ações da Vale.

Segundo Wakabayashi, os mercados estão enxergando os dados chineses como um movimento consistente de melhora da dinâmica da economia do país e de recuperação da indústria da China.

Além do "fator China", o mercado monitora noticias ligadas à Vale. O processo para escolha do novo presidente da Vale, que sucederá Eduardo Bartolomeo a partir de 1º de janeiro de 2025, já foi lançado no mercado e executivos de empresas começaram a ser sondados por consultorias de headhunting de renome internacional, segundo apurou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) com pessoas próximas ao processo e especialistas.

Na sexta, nos EUA, foi divulgado o índice de inflação predileto do Federal Reserve. Os mercados estavam fechados na ocasião. O PCE subiu menos do que o esperado em fevereiro ante janeiro, realimentando as esperanças de que o processo do recuo do juro básico americano poderá começar a partir de junho.

Porém, em discurso também na sexta, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que os dirigentes da autoridade monetária não veem como apropriado cortar as taxas de juros até conquistarem confiança de que a inflação americana está em trajetória de queda sustentada.

Ao longo da semana, a principal divulgação é do mercado de trabalho dos EUA, além de discurso de Powell.

No Brasil, a agenda de indicadores é menos robusta e ganhará força nos próximos dias. Enquanto isso, o noticiário corporativo, com a divulgação de balanços como Hapvida e IRB Brasil ficam no radar.

Às 11h14, o Ibovespa caía 0,31%, aos 127.710,09 pontos, ante mínima a 127.602,56 pontos (-0,39%), após subir 0,43%, na máxima, aos 128.658,86 pontos. Vale avançava 1,15%, Petrobras tinha instabilidade. O dólar à vista tinha valorização de 0,58%, a R$ 5,0450.