Bolsas de NY fecham com variações marginais, em meio à incerteza sobre Fed antes de CPI nos EUA

As bolsas de Nova York fecharam sem direção única nesta segunda-feira, com variações marginais, diante da crescente expectativa por uma postura mais conservadora do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) no ciclo de corte de juros, à medida que investidores aguardam importante dado de inflação nos EUA nesta semana.

O índice Dow Jones encerrou a sessão em baixa de 0,03%, aos 38.892,80 pontos; o S&P 500 cedeu 0,04%, aos 5.202,39 pontos. O Nasdaq subiu 0,03%, aos 16.253,96 pontos.

Entre os destaques, a ação da Tesla saltou 4,90%, após o CEO da empresa, Elon Musk, confirmar planos de lançar um "robotaxi" em agosto.

Por outro lado, Boeing recuou 0,86%, depois que a Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) dos EUA informou que abriu investigação sobre a queda de uma peça de um avião da Southwest Airlines durante a decolagem no domingo.

O papel da Trump Media & Technology despencou 8,43%, em meio a incertezas sobre as métricas financeiras da empresa de mídia ligada ao ex-presidente dos EUA e provável candidato republicano nas eleições de novembro, Donald Trump.

No geral, o ímpeto foi limitado pela percepção de que o Fed adotará relaxamento monetário mais cauteloso que o previsto no início do ano, sobretudo após o relatório de emprego, payroll, mostrar mercado de trabalho ainda robusto nos EUA na última sexta-feira.

A curva futura está dividida em relação as chances de o banco central americano promover dois ou três cortes este ano, conforme sugere plataforma de monitoramento do CME Group.

Na quarta-feira, a leitura de março do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da maior economia do planeta ajudará a estabelecer um direcionamento para as apostas do mercado. "Uma surpresa positiva CPI dos EUA, logo após o forte dado de emprego, pode intensificar dúvidas sobre cortes do Fed", alerta o Barclays.