Bolsas da Europa fecham em alta com alívio de tensões geopolíticas, e FTSE 100 renova máxima

As bolsas da Europa fecharam em alta nesta segunda-feira, 22, impulsionadas por um cenário de diminuição de riscos geopolíticos, que levou o FTSE 100 a fechar na sua máxima história em Londres, após subir mais de 1%. Entre os temas relevantes, a temporada de balanços segue observada de perto, com a semana marcada por divulgações de importantes instituições financeiras europeias.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,60%, a 502,30 pontos.

Os mercados acionários da Europa iniciaram a semana em tom positivo, após ficarem pressionados no pregão anterior, quando surgiram notícias de que Israel havia lançado um pequeno ataque retaliatório a uma base aérea no Irã, sem causar danos significativos. A avaliação, porém, é a de que israelenses e iranianos não querem se envolver em um conflito de grande escala.

Para Susannah Streeter, chefe de mercados da Hargreaves Lansdown, "Londres teve um aumento de poder à medida que as tensões geopolíticas diminuíram e os investidores avaliaram as perspectivas mais brilhantes para a economia do Reino Unido, com cortes nas taxas de juro no horizonte".

O FTSE 100 avançou 1,63%, a 8.023,87 pontos, recorde histórico de fechamento. "Com o crescimento não apagando as luzes e as pressões inflacionárias mostrando sinais de abrandamento, ainda há otimismo quanto à perspectiva de cortes nas taxas de juro no final do verão, o que parece ter ajudado o FTSE 100 a subir", avalia Streeter.

Há expectativa para resultados trimestrais de grandes bancos europeus. Esta semana trará balanços de Deutsche Bank, BNP Paribas, Barclays e Lloyds. Entre ações individuais, a da Galp disparou em Lisboa após a petrolífera portuguesa estimar reservas de 10 bilhões de barris equivalentes de petróleo (boe) ou mais no complexo de Mopane, na Namíbia, onde concluiu a primeira fase de sua campanha exploratória.

A Galp avançou 20,11%, o que foi o segundo melhor resultado da empresa em uma sessão em sua história, impulsionando o PSI 20 a subir 3,50%, a 6.515,47 pontos. Em Madri, o Ibex 35 teve alta de 1,54%, a 10.895,20 pontos. O avançou 0,64% em Frankfurt, a 17.851,39 pontos. Em Paris, o CAC 40 teve avanço de 0,22%, a 8.040,36 pontos.

A exceção foi Milão, onde o FTSE MIB recuou 0,58%, a 33.724,82 pontos. Os destaquem foram as quedas no setor automotivo, com o Iveco Group recuando 1,94%, na maior baixa do dia na cidade italiana.