Vários indicadores corroboram para cenário de mercado de trabalho apertado, diz ata do Copom

A ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, divulgada nesta terça-feira, 14,, detalha indicadores que corroboram para um cenário de mercado de trabalho apertado. O colegiado reforçou que há surpresas recorrentes apontando para um elevado dinamismo do mercado de trabalho, manifestado em múltiplas dimensões. Na última semana, o Copom decidiu cortar a Selic em 0,25 ponto porcentual, de 10,75% para 10,50%.

"As expectativas para a taxa de desemprego coletadas pela Pesquisa Focus, tanto de curto quanto de médio prazo, vêm se reduzindo ao longo dos últimos trimestres. Ademais, a geração de empregos formais se mantém em níveis fortes e permanece uma proporção alta de desligamentos voluntários. Além disso, a taxa de participação e outras medidas alternativas, com aberturas por setores, demografia ou regiões, corroboram um cenário de mercado de trabalho apertado", diz a ata.

O colegiado optou por concentrar o debate na possível transmissão para salários e preços do aperto verificado no mercado de trabalho. Nesse sentido, foi salientada a dinâmica do emprego e salários, relembrando o papel fundamental do mercado de trabalho na determinação do hiato do produto e na trajetória prospectiva de inflação.

"Foi mencionada, como evidência preliminar, a inflação nos serviços intensivos em trabalho, que tem se mostrado persistentemente acima do nível compatível com o cumprimento da meta. Por outro lado, mencionou-se que ainda não há evidências conclusivas de impacto do mercado de trabalho sobre a inflação. Por fim, a combinação de atividade e mercado de trabalho mais fortes tem levado a reavaliações do nível do hiato do produto", diz a ata.