PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

StockBeat: Índices europeus sobem com aproximação de acordo entre EUA e China

04/12/2019 09h27

Por Geoffrey Smith

As bolsas de valores da Europa subiam acentuadamente nesta quarta-feira após um relatório afirmar que os EUA e a China estão realmente se aproximando de um acordo comercial, apesar da enxurrada de notícias nos últimos dias que sugere o contrário.

A Bloomberg disse que "pessoas familiarizadas com o assunto" estão menosprezando as declarações do presidente Donald Trump na terça-feira, o que elevou a perspectiva de nenhum acordo comercial ser assinado por mais de um ano, porque "ele estava falando de maneira irrelevante".

As fontes da agência de notícias alegaram que os negociadores dos EUA ainda esperam um acordo antes de 15 de dezembro, quando uma nova rodada de tarifas sobre mercadorias da China, anteriormente isentas, entrará em vigor. No entanto, eles observaram que ainda não há acordo sobre até que ponto as tarifas existentes podem ou devem ser revertidas, nem como as compras chinesas de produtos agrícolas dos EUA podem ser garantidas.

Os mercados europeus, que caíram fortemente na terça-feira em resposta aos comentários de Trump, recuperaram um pouco menos da metade de suas perdas com o relatório. Às 7h, o Euro Stoxx 600 aumentava 1,1% em 402,66, enquanto o alemão DAX aumentava 1,2% e o FTSE 100 do Reino Unido ficava com um ganho de 0,3%, a maior parte da recuperação veio pelo canal da taxa de câmbio, enquanto a moeda libra subia acima de US$ 1,3000.

Alguns não estavam convencidos. Hu Xijin, editor do jornal Global Times do Partido Comunista, implicitamente descartou as notícias como pouco mais que manipulação de mercado.

Na terça-feira, Trump havia dito - não pela primeira vez - que o chamado acordo de "fase 1" "não pode ser um acordo igual", dando a entender que existe uma rejeição à linha da China de que todas as tarifas levantadas até agora devem ser rescindidas.

Enquanto isso nesta quarta-feira, ao mesmo tempo, o Ministério das Relações Exteriores da China estava respondendo furiosamente à mais recente ação no Capitólio para reforçar o escrutínio de sua política de direitos humanos. A Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira a Lei Uigur de 2019, que pede que Trump denuncie campos de reabilitação na província chinesa de Xinjiang (principalmente muçulmana) e pede sanções aos políticos chineses de alto nível. O projeto de lei agora deve ir ao Senado.

O Ministério das Relações Exteriores da China reagiu dizendo que o projeto de lei "supostamente mancha os esforços da China para eliminar e combater o extremismo" e pediu a Washington que "parasse de usar Xinjiang como uma maneira de interferir nos assuntos internos da China".

O projeto de lei, se aprovado, incorporaria as preocupações com direitos humanos mais profundamente no processo de negociações comerciais, logo após a lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong dos EUA vincular explicitamente seu acesso aos mercados dos EUA ao respeito à autonomia de Hong Kong.