IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Juros ficam em 8,75%, e país volta a ter maior taxa real do mundo

Da Redação, em São Paulo

27/01/2010 19h05

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira, por unanimidade, manter a taxa básica de juros (a Selic) em 8,75% ao ano. É a quinta reunião seguida em que a taxa fica nesse nível (veja gráfico no fim deste texto).

OS JUROS REAIS NO MUNDO
Projeção para 12 meses

1) Brasil 4%
2) Indonésia 3,6%
3) China 3,3%
4) Austrália 2,4%
5) Japão 2%
  • Fonte: UPTrend

Com a decisão, de acordo com a UPTrend Consultoria Econômica, o Brasil voltou a ter a  maior taxa real de juros do mundo, na projeção para os próximos 12 meses (confira ao lado). A taxa real é a Selic menos a inflação, o que dá 4% ao ano. Em segundo, vem a Indonésia, com 3,6%. Na última reunião do Copom, em dezembro, o Brasil estava em segundo lugar, com a China em primeiro.

A justificativa do comitê para a decisão foi divulgada em uma nota:

"Avaliando a conjuntura macroeconômica e as perspectivas para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic em 8,75% ao ano, sem viés. O comitê irá acompanhar a evolução do cenário macroeconômico até sua próxima reunião, para então definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária."


A taxa atingiu o valor nominal (sem descontar a inflação) de 8,75% primeiramente em julho. Depois foi mantida nos encontros de setembro, outubro, dezembro e, por último, na reunião desta quarta-feira. O Copom se encontra a cada 45 dias. O atual encontro foi o primeiro do ano. A próxima reunião será nos dias 16 e 17 de março.

Com a decisão, já esperada pela maioria dos analistas, a atual Selic se mantém como a menor taxa desde que ela passou a ser usada como meta da política monetária, em 5 de março de 1999.

Os juros são usados como política monetária pelo governo para conter a inflação. Com juros altos, as prestações ficam mais caras e as pessoas compram menos, o que restringe o aumento dos preços.

Um aspecto positivo dos juros altos é que eles remuneram melhor as aplicações. Isso é bom para os investidores brasileiros e também para os estrangeiros, que procuram o país.

Por outro lado, os juros altos prejudicam as empresas, que ficam mais cuidadosas para tomar empréstimos e fazer expansões. Por causa disso, o emprego também não cresce tanto. É em razão desse efeito que os empresários reclamam contra os juros altos.

Quem decide os juros

O Copom foi instituído em junho de 1996 para estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa de juros.

O colegiado é composto pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e os diretores de Política Monetária, Política Econômica, Estudos Especiais, Assuntos Internacionais, Normas e Organização do Sistema Financeiro, Fiscalização, Liquidações e Desestatização, e Administração.


(Com informações do Valor)

PUBLICIDADE