IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

EUA aprovam mudanças na bateria do Boeing 787

Jiji Press/AFP
Imagem: Jiji Press/AFP

Do UOL, em São Paulo

19/04/2013 17h05

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) aprovou mudanças no desenho do sistema de bateria do Boeing 787. A informação foi divulgada pelo órgão norte-americano nesta sexta-feira (19).

Os aviões sofreram uma série de problemas técnicos no começo deste ano, o que levou a Agência Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos a emitir um alerta proibindo a decolagem dos Boeing 787 em operação ao redor do mundo.

Na próxima semana, a agência vai divulgar instruções para que as companhias aéreas possam fazer alterações em suas frotas, e deve publicar as diretrizes finais para que a aeronave volte a operar.

Segundo a FAA, as empresas aéreas que operam o 787 terão que instalar sistemas de contenção e ventilação para os sistemas principal e auxiliar de baterias, e devem substituir as baterias e seus carregadores por componentes modificados, informou a agência.

“A segurança do público é nossa prioridade número um. Essas mudanças na bateria do 787 vão garantir a segurança da aeronave e de seus passageiros”, disse o secretário dos Transportes, Ray LaHood.

 

Histórico de falhas no modelo

O Boeing 787 Dreamliner protagonizou seis incidentes em menos de dez dias.

No dia 7 de janeiro, em Boston, um 787 da Japan Airlines (JAL) proveniente do Japão teve um princípio de incêndio em terra. No dia seguinte, outro voo da JAL que partia de Boston foi atrasado por um vazamento de combustível.

No dia 9 de janeiro, um voo da All Nippon Airways realizado por outro Boeing 787 foi cancelado no país asiático por causa de um problema nos freios.

No dia 11, também no Japão, dois incidentes aconteceram a bordo de dois Boeing 787 da ANA: um voo foi cancelado por causa de uma rachadura no vidro da cabine, e outro foi atrasado por causa do vazamento de óleo.

No último incidente, em 16 de janeiro, um 787 Dreamliner da ANA fez um pouso não programado no aeroporto de Takamatsu, no sul do Japão. Segundo a empresa, foi detectada fumaça na cabine, causada pela falha em uma bateria.

Modelo fez primeiro voo comercial em 2011

Reguladores dos EUA levantaram dúvidas sobre a confiabilidade do 787 em longas rotas transoceânicas, publicou o jornal "Wall Street Journal".

O Dreamliner é o primeiro avião do mundo construído com compósitos de carbono e possui preço de tabela de US$ 207 milhões.

O modelo fez seu primeiro voo comercial no final de 2011, depois que uma série de atrasos de produção deixou as entregas do modelo três anos atrás do planejado. Até o final do ano passado, a Boeing vendeu 848 Dreamliners e entregou 49 unidades do modelo.

(Com informações da Reuters)

Mais Economia