ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Governo recupera R$ 4,1 bilhões devidos ao FGTS; como ver se empresa pagou?

Do UOL, em São Paulo

07/11/2018 20h07

O Ministério do Trabalho recuperou, entre janeiro e setembro, R$ 4,1 bilhões que as empresas deixaram de depositar de FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) de seus empregados, informou a pasta nesta quarta-feira (7). O montante foi resultado de autuações feitas pela Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT).

O resultado é 19% superior ao alcançado no mesmo período de 2017 (R$ 3,43 bilhões) e 53 % superior a 2016 (R$ 2,67 bilhões).

Veja abaixo como conferir se sua empresa está depositando seu FGTS corretamente.

Leia também:

Trabalhador deve acompanhar saldo do FGTS

A recomendação para o trabalhador é sempre acompanhar se o patrão está depositando os 8% do FGTS. Caso saia do emprego, seja porque pediu as contas ou porque foi demitido por justa causa, deve confirmar assim que possível se a empresa fez todos os depósitos devidos.

Se a empresa deixou de pagar o FGTS, clique aqui para saber o que o trabalhador pode fazer. 

“Atualmente, é possível a cobrança de débitos de até 30 anos, com exceção das Pessoas Jurídicas de Direito Público, para as quais o prazo prescreve em cinco anos. Em novembro de 2019, todos serão enquadrados nessa nova regra. Por isso, é importante que o trabalhador crie o hábito de acompanhar o saldo do FGTS e ficar bem informado de seus direitos”, afirmou o auditor-fiscal do trabalho Jefferson Toledo.

Segundo a Caixa, o trabalhador pode fazer a consulta pelos seguintes canais:

  • Site da Caixa (é preciso cadastrar usuário e senha)
  • Aplicativo do FGTS, disponível para os sistemas operacionais Android, iOS e Windows Phone
  • Agências da Caixa
  • Caixas eletrônicos, usando o Cartão do Cidadão
  • SMS (o trabalhador pode se cadastrar nesse serviço para receber o extrato mensal)
  • Extrato bimestral encaminhado pelos Correios
  • Internet Banking, no caso de clientes da Caixa

Como cobrar dívida de um amigo

UOL Notícias

Mais Economia