Topo

Com Jinping, Bolsonaro diz querer ampliar e diversificar comércio com China

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro cumprimenta o presidente chinês Xi Jinping durante sua viagem ao país asiático - Divulgação/Isac Nóbrega/Presidência da República
O presidente brasileiro Jair Bolsonaro cumprimenta o presidente chinês Xi Jinping durante sua viagem ao país asiático Imagem: Divulgação/Isac Nóbrega/Presidência da República

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

13/11/2019 12h07

Ao lado do presidente da China, Xi Jinping, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou querer ampliar e diversificar o comércio com o país asiático.

"A China é o nosso primeiro parceiro comercial e, juntamente com toda a minha equipe, bem como com o empresariado brasileiro, nós queremos mais do que ampliar, queremos diversificar as nossas relações comerciais", declarou.

A fala foi dada após reunião bilateral no Palácio Itamaraty com o presidente chinês em meio à 11ª cúpula do Brics - bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, sediado hoje e amanhã em Brasília. Em seguida, governo brasileiro oferece um almoço à delegação chinesa.

Segundo Bolsonaro, os atos assinados hoje vão fortalecer a relação entre os dois países e "a China, cada vez mais, faz parte do futuro do Brasil". Veja a relação dos atos ao final da reportagem.

Em 2018, o Brasil exportou para a China US$ 64,2 bilhões e importou do país US$ 34,7 bilhões, segundo dados do Ministério das Relações Exteriores. Em 2012, a China se tornou o maior fornecedor de produtos importados ao Brasil. A intenção do governo brasileiro é que o país passe a exportar mais produtos com valor agregado.

Atualmente, os chineses são um dos principais investidores estrangeiros no Brasil. As áreas em que mais atuam são infraestrutura, óleo e gás, financeiro, serviços e inovação.

Em discurso breve, de menos de quatro minutos, Bolsonaro ainda lembrou e agradeceu o reforço chinês ao respeito à soberania da Amazônia brasileira. Neste ano, o governo brasileiro travou embates com o governo francês, cujo presidente chegou a aventar a discussão para a internacionalização da Amazônia.

Bolsonaro classificou a defesa chinesa do Brasil como um "gesto de grandeza que nos fortaleceu, e muito".

O presidente brasileiro esteve na China no final de outubro em giro ainda por Japão, Emirados Árabes Unidos, Qatar e Arábia Saudita. Hoje se disse "muito honrado e muito feliz pela continuidade" do que foi conversado na ocasião.

Em fala após Bolsonaro, Xi Jinping afirmou que China e Brasil são os principais mercados emergentes mundiais e que os países precisam se esforçar para intensificar o comércio com o mundo por meio do aproveitamento das vantagens de cada um.

"Vamos estreitar o intercâmbio entre os nossos povos. A China está disposta a trabalhar junto com o Brasil para promover o intercâmbio em pé de igualdade", declarou.

Para Jinping, China e Brasil possuem interesses em comum e destacou o interesse do país em continuar investindo nas áreas de agricultura, mineração, óleo e gás, eletricidade, infraestrutura, ciência e tecnologia, inovação e economia digital. Um dos meios pelos quais os chineses querem investir no Brasil é pela carteira de obras e projetos do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), de privatizações e concessões.

"A China atribui grande importância à influência do Brasil na América Latina e o Caribe. Vamos aproveitar nossas vantagens para promover o desenvolvimento comum, visando criar relações China-América Latina e Caribe na nova era, caracterizada pela igualdade, benefício mútuo, inovação, abertura e benefícios para o povo", falou.

Temas delicados como questões tarifárias e a disputa pela implementação de sistemas 5G ficaram de fora das declarações públicas.

Além de Xi Jinping, estão em Brasília o presidente da Rússia, Vladimir Putin, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

Veja os atos assinados hoje entre os governos brasileiro e chinês:

  • Tratado sobre transferência de pessoas condenadas;
  • Memorando de entendimento de cooperação entre autoridades de transportes;
  • Protocolo sanitário para exportação de pera da China ao Brasil;
  • Protocolo sanitário para a exportação de melão do Brasil à China;
  • Plano de Ação na área da agricultura (2019-2023);
  • Memorando de entendimento sobre medicina tradicional, complementar e integrada;
  • Memorando de entendimento para cooperação no setor de serviços;
  • Memorando de entendimento sobre o fortalecimento da cooperação em assuntos relacionados a investimentos;
  • Memorando de cooperação sobre intercâmbio cultural e audiovisual.

Economia