IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Petrobras divulga lucro no 3º tri de 2014 sem baixa contábil por Lava Jato

Por Gustavo Bonato
Imagem: Por Gustavo Bonato

28/01/2015 07h31

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras registrou queda no lucro líquido no terceiro trimestre de 2014, para R$ 3,087 bilhões, segundo balanço não auditado divulgado na madrugada desta quarta-feira (28), em um anúncio que não incluiu nenhuma baixa contábil relacionada às denúncias de corrupção da Operação Lava Jato.

O lucro líquido da companhia entre julho e setembro de 2013 havia sido de R$ 3,395 bilhões. Na comparação com o segundo trimestre de 2014, houve queda de 38%.

O balanço incluiu baixas contábeis de R$ 2,7 bilhões com a descontinuidade dos projetos das refinarias Premium I e II.

Os resultados, que deveriam ter sido conhecidos em novembro, tiveram sua publicação adiada após o auditor PricewaterhouseCoopers ter se recusado a aprovar as contas da petroleira devido às denúncias de corrupção envolvendo a estatal e algumas das maiores empreiteiras do Brasil. O suposto esquema incluiria pagamentos a políticos.

Segundo informações da Polícia Federal, de procuradores e dos delatores do caso, incluindo o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, executivos da estatal indicados por políticos conspiraram com empresas de engenharia e construção do país para sobrevalorizar refinarias, navios e outros bens e serviços.

"Concluímos ser impraticável a exata quantificação destes valores indevidamente reconhecidos, dado que os pagamentos foram efetuados por fornecedores externos e não podem ser rastreados nos registros contábeis da companhia", disse a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, em comentários publicados no balanço.

No balanço, a Petrobras diz que continua trabalhando para produzir demonstrações financeiras revisadas pela PricewaterhouseCoopers no menor tempo possível.

Cálculo das perdas

A empresa disse que tentou calcular as baixas contábeis em ativos envolvidos nas denúncias estimando a diferença entre o valor justo de cada ativo e seu valor contábil e também a quantificação do sobrepreço decorrente de atos ilícitos, usando informações, números e datas revelados nos depoimentos à Polícia Federal.

Cerca de um terço dos ativos da companhia, somando R$ 188,4 bilhões, passaram por avaliação.

"O resultado das avaliações indicou que os ativos com valor justo abaixo do imobilizado totalizaram R$ 88,6 bilhões de diferença a menor. Os ativos com valor justo superior totalizaram R$ 27,2 bilhões de diferença a maior frente ao imobilizado", informou a Petrobras.

No entanto, a companhia desistiu de usar essa metodologia "pois o ajuste seria composto de diversas parcelas de naturezas diferentes, impossível de serem quantificadas individualmente".

A empresa disse que vai estudar outra metodologia que tome por base valores, prazos e informações contidos nos depoimentos em conformidade com as exigências dos órgãos reguladores do Brasil e dos Estados Unidos (CVM e SEC).

Balanço do trimestre

O resultado do terceiro trimestre foi impactado por uma queda no lucro operacional, que caiu para 4,6 bilhões de reais, ante 8,8 bilhões de reais no segundo trimestre.

A redução ocorreu, principalmente, por gastos com acordo coletivo de trabalho (1 bilhão de reais), pelo pagamento de acordo com a Bolívia para importação do gás natural (0,9 bilhão de reais) e pelas baixas nos ativos referente aos projetos das refinarias Premium I e II (2,7 bilhões).

Já a maior produção de petróleo, e consequente exportação agregaram 2,4 bilhões de reais ao resultado operacional do terceiro trimestre em relação aos três meses anteriores.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, indicador do desempenho operacional, somou 11,735 bilhões de reais no terceiro trimestre, ante 13,091 bilhões no mesmo período de 2013.

(Por Gustavo Bonato)

Mais Economia