Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA têm queda inesperada, no menor nível desde 1973

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos apresentando pedido de auxílio-desemprego caiu inesperadamente na semana passada, atingindo seu nível mais baixo desde 1973 e sugerindo que o mercado de trabalho dos Estados Unidos continuou a ganhar impulso, apesar de fraco crescimento econômico.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego diminuíram em 6.000, para 247 mil na semana encerrada em 16 de abril, a leitura mais baixa desde novembro de 1973, informou o Departamento de Trabalho nesta quinta-feira (21). Os dados da semana anterior não foram revisados.

Economistas consultados pela agência de notícias Reuters previam pedidos subindo para 263 mil na última semana.

Os pedidos de auxílio-desemprego estão abaixo das 300 mil, um nível associado a condições do mercado de trabalho saudáveis, por 59 semanas, o maior período desde 1973.

O mercado de trabalho dos EUA está se fortalecendo apesar dos sinais de que o crescimento econômico freou bruscamente no primeiro trimestre.

Mas a força do mercado de trabalho, no contexto de fraco crescimento e de inflação benigna, é provavelmente insuficiente para que o Federal Reserve, banco central dos EUA, se afaste de sua política de elevação gradual das taxas de juros.

O Fed elevou a taxa de juro de referência em dezembro pela primeira vez em quase uma década e formuladores de política econômica têm sugerido apenas mais dois aumentos da taxa este ano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos