ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Mercado vê inflação e PIB mais baixos; Top 5 projeta juros menores em 2019

16/04/2018 09h10

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado reduziu suas perspectivas de crescimento da economia e da inflação, em meio a sinais cada vez mais claros de que a atividade iniciou este ano patinando mais do que o esperado, mantendo o caminho aberto para mais redução na taxa básica de juros, mostrou a pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira (16).

Ao mesmo tempo, o grupo de economistas que mais acerta as projeções, o Top 5, passou a ver que a Selic subirá menos do que o esperado até então em 2019.

A alta do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) foi calculada agora em 3,48% em 2018 e em 4,07% em 2019, sobre 3,53% e 4,09% na pesquisa anterior, respectivamente.

Leia também:

O IPCA teve variação positiva de apenas 0,09% em março, nível mais baixo para o mês em 24 anos, acumulando em 12 meses avanço de 2,68%, ainda mais abaixo do piso da meta deste ano, de 4,5% com margem de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Taxa de juros

O nível baixo de inflação ratifica a indicação do BC de novo corte da Selic em maio, antes de encerrar o ciclo de flexibilização. Hoje, a taxa básica de juros está na mínima histórica de 6,5% ao ano e, pelo Focus, deve fechar 2018 a 6,25%, mesmo cenário visto no levantamento anterior.

Para 2019, as projeções também não mudaram na mediana geral do mercado, com a taxa indo a 8%.

Mas a cena mudou quando se olha para o Top 5, com a Selic fechando o próximo ano a 7,5%, sobre 8%, no cenário de médio prazo. As contas mudaram também no cenário de curto prazo, com a Selic sendo vista no fim de 2019 a 7,75%, sobre 8% até então.

PIB

A perspectiva de menor inflação e juros vem junto com as expectativas de atividade econômica acelerando menos. O Focus mostrou que, em relação ao PIB (Produto Interno Bruto), a mediana das projeções apontou para expansão de 2,76% este ano, contra 2,8% calculados antes, chegando a 3% em 2019, mesmo número do levantamento anterior.

O grande destaque foi para a perda de força esperada na produção industrial, com a projeção de crescimento recuando a 3,97% neste ano, sobre 4,29% antes. Para 2019, as estimativas continuaram de crescimento de 3,5% do setor, apontou o Focus.

O BC informou nesta segunda-feira ainda que o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do PIB, registrou ligeira alta de 0,09% em fevereiro na comparação com janeiro.

O resultado ficou abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters, de crescimento de 0,15%, na mediana das projeções de especialistas consultados.

Veja abaixo as principais projeções do mercado para a economia brasileira, de acordo com a pesquisa semanal do Banco Central com cerca de 100 instituições financeiras.

(Por Patrícia Duarte; Edição de Marcela Ayres)

Por que a inflação no nosso bolso parece maior do que a inflação oficial?

UOL Notícias

Mais Economia